Quinta, 24 de Setembro de 2020
Follow Us

Quarta, 12 Agosto 2020 08:49

Record TV avança com processo-crime contra a TPA após desvendar segredos

A direcção geral da Record TV Angola, pode remeter um processo-crime à Procuradoria-geral da República, contra a Televisão Pública de Angola, por ter divulgado informações confidenciais da IURD Angola, durante o programa Na Lente.

Durante o programa de Kabingano Manuel, Na Lente, para além da vasectomia sobre os pastores e evasão de divisas para o exterior, foram divulgadas informações que confirmam a venda de patrimônios da referida igreja, fundada pelo mesmo responsável da Rede Record, facto que estaria na base do suposto processo.

Segundo informações que Angola24Horas obteve, a Rede Record TV Angola, prometeu responsabilizar civil e criminalmente os autores do programa Na Lente, da TPA, devido à edição da última quinta-feira, 6 de Agosto, que abordou sobre os problemas internos da igreja Universal do Reino de Deus.

Num comunicado publicado na sua conta nas redes sociais, aquele canal televisivo fez saber que a exibição de documentos confidenciais relacionados à sua actividade comercial, ao longo do programa, além de manchar o nome da referida empresa e do seu representante, provocou danos materiais e patrimoniais à sua actividade social e comercial.

No mesmo documento, a Record Angola afirma que a equipa do Na Lente, teve acesso a contractos comerciais e outras informações de carácter confidenciais e sigilosos, sem procurar aprofundar a veracidade dos factos, apresentou-os no programa, porque tinha a clara e leviana intenção de influenciar erradamente a opinião pública.

Angola24Horas contactou uma fonte próxima a TV Record, que disse não ter conhecimento do alegado processo-crime e não adiantou mais detalhes sobre o assunto em causal.

De salientar que, os problemas que envolvem esta instituição religiosa, tiveram início há longos anos, conforme se desenrolam os factos, estando em causa uma série de violações de direitos, denunciadas por alguns pastores angolanos que não se terão compactuado com alegados crimes, ala que por esta altura defende a reforma da Igreja Universal em Angola.

Rate this item
(1 Vote)

Log in or Sign up