Sexta, 10 de Abril de 2020
Follow Us

Quinta, 12 Dezembro 2019 20:42

Embraer 'namora' TAAG para compra de aviões com asas portuguesas

A companhia aeronáutica brasileira Embraer vai propor à transportadora aérea angolana a compra de seis aviões E195-E2, um modelo cujas asas são produzidas em Portugal, disse à Lusa o vice-presidente Embraer Aviação Comercial para África e Médio Oriente.

"Temos interesse em trabalhar com a empresa aérea angolana, a TAAG, que tem alguns aviões que estão a atingir a idade de substituição e nós temos o E195-E2, que chamamos de 'Profit Hunter', que acreditamos ser o ideal", para substituir esses aparelhos, declarou Raul Villaron, à margem de um seminário dedicado à indústria da defesa brasileira, que decorreu em Luanda.

A empresa trouxe o "Profit Hunter" para Luanda há duas semanas para apresentar o avião aos responsáveis da TAAG e membros do Governo angolano, adiantou o responsável, realçando que a Embraer tem um interesse estratégico em Angola "por ser país irmão do Brasil".

Além da venda dos aviões, a Embraer está disponível para oferecer também um pacote de formação e negociar o financiamento para a compra das aeronaves através do BNDS - Banco de Desenvolvimento do Brasil, que se dispôs a "conversar com a TAAG".

A aquisição de seis aviões representaria um investimento de cerca de 250 milhões de dólares (225 milhões de euros), estimou Raul Villaron.

O negócio iria ter também um impacto positivo em Portugal, já que é um dos centros onde são desenvolvidos componentes do avião.

"As asas são manufaturadas em Portugal, onde também fazemos a manutenção e suporte técnico dos aviões para o mundo todo, na OGMA (...) Todo o negócio que a Embraer faz hoje no E2 gera mais negócios para as fábricas em Portugal", destacou.

As empresas Embraer em Portugal exportam mais de 300 milhões de euros por ano e preveem crescer para os 400 milhões em 2020, no conjunto das duas fábricas de Évora e da OGMA -- Indústria Aeronáutica de Portugal, em Alverca.

Por enquanto, a aproximação da Embraer à TAAG está ainda na fase de "namoro" para apresentação dos atributos do avião, mas Raul Villaron afirmou-se preparado para avançar com uma proposta, mal a TAAG "dê um sinal positivo".

A Embraer tem já mais de 25 clientes e 200 aviões vendidos em África, uma frota que é apoiada pelo escritório e centro de formação em Joanesburgo.

“A E195-E2 consome 30 por cento menos combustível do que o B737-700, sendo o seu custo de manutenção quase 40 por cento menos do que os actuais aviões usados pela TAAG”, comparou o vice-presidente de vendas da Embraer.

A intenção, argumentou, é trabalhar juntamente com a companhia angolana de bandeira para a venda do E195-E2, com vista a substituir os seus actuais aparelhos do tipo Boeing 737-700, que estão a atingir uma idade de substituição.

“Há duas semanas trouxemos, pela primeira vez, o modelo do nosso avião para Angola, e fizemos a demonstração da sua eficiência, assim como mostramos ser a aeronave ideal para TAAG”, afirmou.

A Embraer foi uma das empresas que hoje participaram em Luanda num seminário dedicado à "Base Industrial de Defesa do Brasil", juntamente com a Avibras (equipamentos bélicos e aeroespaciais), CBC (munições), Condor (armamento não-letal), Protecta (equipamentos de proteção balística) e Taurus (armamento).

A delegação brasileira acompanha uma visita do ministro brasileiro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que se encontra em Angola para estreitar a cooperação entre os dois países, no âmbito da qual foi hoje assinado um acordo em matéria de segurança e combate ao narcotráfico.

Ernesto Araújo foi também portador de um convite endereçado pelo Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, ao seu homólogo angolano, João Lourenço, para uma visita ao país sul-americano em 2020.

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up