Segunda, 08 de Março de 2021
Follow Us

Terça, 21 Julho 2020 21:45

IURD em Angola critica “narrativa” de ex-pastores e diz que igreja é “maioritariamente angolana”

Bispos da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Angola repudiaram hoje o que classificam como uma “narrativa falsa” de um grupo de dissidentes, salientando que a igreja neste país é “maioritariamente angolana”, incluindo em cargos dirigentes.

Numa carta aberta, sete bispos angolanos da IURD alegam dar a conhecer “toda a verdade sobre a perseguição impiedosa” que a igreja vem sofrendo, numa alusão ao conflito interno que se vem agudizando desde novembro do ano passado e que culminou com a rutura de um grupo de dissidentes angolanos com a ala brasileira e a tomada de vários templos.

Os dissidentes, que criaram entretanto uma comissão de reforma, acusam os dirigentes brasileiros de práticas contrárias à religião, como racismo, vasectomias forçadas e desvio de fundos, estando atualmente em curso dois processos-crime contra a IURD.

Na carta hoje enviada às redações, os sete bispos salientam que a IURD está legalmente instalada no país há 28 anos e sempre integrou angolanos na sua liderança, contando com pastores e bispos de várias nacionalidades em Angola.

“Até há oito meses, a igreja contava com oito bispos angolanos, tendo deles saído apenas um bispo, agora líder da dissidência (rebelião), sendo que, sete mantêm-se incólumes na igreja”, destacam.

Na carta acusam o ex-bispo, Valente Bezerra, de ter internamente mobilizado alguns pastores dissidentes e ex-pastores, “alegando discordância com os pastores brasileiros e tantas outras infâmias que servem de argumentos para sustentar a sua tese de rebelião e justificativa para cometimento de atos criminosos como: invasão, furto, agressão, calúnia, burla entre outros”.

Os responsáveis da IURD queixam-se também de serem alvo de notícias parciais, por “não se colher previamente o contraditório da liderança da Igreja ou testemunhas isentas”, acusando os órgãos públicos de informação angolanos de “prestigiar esta forma de comunicar quando se trata de ferir a instituição IURD”.

Afirmam também que “a narrativa falsa” construída pelos ex-pastores é de que lutam contra os bispos e pastores brasileiros e interrogam: “onde é que colocam os Bispos e Pastores Angolanos que se mantêm na igreja? Será que os dissidentes são mais angolanos do que todos nós?”

Criticam ainda o silêncio das autoridades enquanto se assiste “ao esbulho violento do património da Igreja e agressão física de pastores”, questionando se os bispos e pastores angolanos e estrangeiros da Igreja Universal do Reino de Deus não são dignos e merecedores da proteção estatal.

O crescendo de tensões já levou ao envolvimento dos governos de ambos os países: Jair Bolsonaro, o presidente brasileiro, escreveu ao seu homólogo angolano, João Lourenço, pedindo proteção para os bispos brasileiros. Por seu turno, o chefe da diplomacia angolana, Téte António, assegurou que a relação com o Brasil é boa e que a justiça está “a tratar esta questão”. Entretanto, a ministra de Estado angolana, Carolina Cerqueira, anunciou que vai ser feito um relatório sobre os incidentes, notando que “há indícios de alguns crimes”.

Rate this item
(1 Vote)

Log in or Sign up