Quarta, 08 de Julho de 2020
Follow Us

Quarta, 30 Janeiro 2019 11:51

Padre católico lamenta "preocupante situação de seca e fome" na província do Cunene

O padre Félix Gaudêncio lamentou hoje a "preocupante situação" da seca e fome, na província angolana do Cunene, que afeta milhares de pessoas, defendendo "soluções urgentes" como construção de reservatórios de água.

Em declarações hoje à Lusa, o padre católico deu conta que "maior parte" da província, sul de Angola, está afetada pela seca e "sem qualquer perspetiva" para o início do ano agrícola, "agudizando a carência de comida e água" para o consumo humano e dos animais.

"As perspetivas não são boas, na medida em que, normalmente, a esta altura as lavras estariam já verdes e teríamos já uma noção do que seria o ano agrícola, mas o que está a acontecer este ano é exatamente o contrário", disse.

"É que até agora, temos pessoas que não cultivaram por falta de chuvas", adiantou.

Uma delegação multissetorial chefiada pelo ministro da Administração do Território e Reforma do Estado de Angola, Adão de Almeida, visitou na segunda e terça-feira a capital do Cunene, Ondjiva, para avaliar a situação da seca na região.

Adão de Almeida assumiu que a situação da província "é crítica, desafiante e exige mais pragmatismo", apontando entre as medidas a "reparação e abertura de furos de água" para atender as populações das zonas "mais críticas".

Para o padre Félix Gaudêncio, também presidente da Associação Ame Naame Omuno, de promoção e defesa dos direitos humanos, a abertura de furos de água "é uma alternativa viável mas insuficiente", defendendo também a "construção de 'chimpacas' [reservatórios]" de água.

"Acho que os furos não seriam suficientes, mas poderíamos apostar mais em 'chimpacas', encontrar alternativas que se adaptem à maneira de viver da população, porque um furo que fica a 10 quilómetros para lá as pessoas chegarem é difícil", sublinhou.

O líder da "Ame Naame Omuno", que na língua angolana Kwanyama significa "também sou pessoa", considera que uma outra alternativa para acudir à situação do Cunene seria as autoridades angolanas perceberam a experiência da vizinha República da Namíbia.

Segundo as autoridades, mais de 280.000 pessoas estão afetadas pela seca na província angolana do Cunene.

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up