Menu

Angola e Guiné-Bissau são únicos países lusófonos com desempenho democrático abaixo da média regional

Angola e Guiné-Bissau são únicos países lusófonos com desempenho democrático abaixo da média regional

Angola e Guiné-Bissau são os únicos países entre os seis lusófonos referenciados num relatório internacional com um desempenho abaixo da média da região em que estão inseridos, lê-se no documento da IDEA International.

O Relatório sobre o Estado Global da Democracia (GSoD, na sigla inglesa) foi elaborado pela International IDEA, instituição com sede em Estocolmo, e analisa 155 países de todo o mundo, não apresentando dados, porém, de três lusófonos -- Cabo Verde, Guiné Equatorial e São Tomé e Príncipe.

A análise da IDEA baseia-se em cinco critérios principais -- Governo representativo, direitos fundamentais, fiscalização do Governo, imparcialidade na administração e empenho na participação (este último não inclui dados sobre qualquer país lusófono) --, que se subdividem em 16 temas, com um total de 98 indicadores.

O Governo representativo subdivide-se em eleições livres, votação inclusiva, liberdade para partidos políticos e governo eleito, os direitos fundamentais em acesso à Justiça, liberdades civis, direitos sociais e equidade, a fiscalização ao Governo em

Parlamento em efetividade, independência judicial, integridade dos 'media', a imparcialidade na administração em ausência de corrupção e execução previsível e o empenho na participação em participação da sociedade civil, participação eleitoral, democracia direta e eleições regionais ou municipais

A avaliação contida no relatório analisa a informação desde 1975 até 2015 e a pontuação final varia entre 0, que representa a evolução mais baixa, ou nula, e 1, a mais elevada.

Entre os lusófonos, Angola e a Guiné-Bissau são os únicos a situarem-se abaixo da média sub-regional em que estão inseridos (África Austral e África Ocidental, respetivamente), embora o estado da democracia angolana seja a única com todos os critérios inferiores à média, enquanto a guineense apresenta dois acima e dois abaixo.

Portugal (Europa), Brasil (América do Sul), Timor-Leste (Ásia) e Moçambique (África Austral) são, por esta ordem, os restantes lusófonos que registam valores acima da média regional, embora a democracia moçambicana registe um critério, o da fiscalização ao Governo, que é igual à média sub-regional.

Na África Austral, em que figuram Angola e Moçambique, a média regional nos quatro parâmetros em que os países são avaliados situa-se nos 0,50 pontos no item referente ao Governo representativo, 0,51 no dos direitos fundamentais, 0,49 no da fiscalização ao Governo e 0,40 no da imparcialidade na administração.

Angola regista, respetivamente, 0,47, 0,43, 0,37 e 0,28 pontos de média, enquanto Moçambique atinge, pela mesma ordem, 0,56, 0,55, 0,49 e 0,44 pontos de média.

Na África Ocidental, representada pela Guiné-Bissau entre os Estados lusófonos, a democracia guineense tem dois indicadores acima da média (0,62 pontos no critério do Governo representativo -- a média regional é de 0,5 pontos -, e 0,53 no da fiscalização ao Governo -- a média regional é de 0,49 pontos), e outros tantos abaixo (0,46 pontos nos direitos fundamentais -- média regional de 0,51 -, e 0,31 na imparcialidade da administração -- média regional de 0,40 pontos).

Timor-Leste, "representante" lusófono na Ásia, teve todos os parâmetros acima da média regional -- Governo representativo (0,67 pontos/média regional de 0,50), direitos fundamentais (0,56/0,53 pontos), fiscalização do Governo (0,58/0,48 pontos) e imparcialidade na administração (0,49/0,44 pontos).

O Brasil, lusófono na América do Sul registou também todos os critérios positivos: Governo representativo (0,80/média regional de 0,68 pontos), direitos fundamentais (0,66/0,60 pontos), fiscalização ao Governo (0,72/0,55 pontos) e imparcialidade na administração (0,59/0,50 pontos).

Na Europa, Portugal obtém os melhores resultados entre os lusófonos: Governo representativo (0,81/média regional de 0,71 pontos), direitos fundamentais (0,81/0,74 pontos), fiscalização ao Governo (0,74/0,66 pontos) e imparcialidade na administração (0,72/0,64 pontos).

As melhores médias a nível mundial variam entre os 0,85 e 0,94 na posse de países como a França, Costa Rica, Dinamarca, Reino Unido, Suécia, Finlândia Alemanha, Holanda e Canadá, enquanto as piores (entre 0 e 0,20) registam-se na Coreia do Norte, China, Líbia, Sudão do Sul, Laos e Arábia Saudita, entre outros.

Mídia

voltar ao topo
Apresentadora da TPA encontrada morta em Viana após rapto

Apresentadora da TPA encontrada morta em Viana após rapto

A apresentadora da Televisão Pública de Angola Beatriz Fernandes foi hoje encont...

Medo do MPLA: Oposição obteve maioria na Assembleia Nacional

Medo do MPLA: Oposição obteve maioria na Assembleia Nacional

O pleito eleitoral de 23 de Agosto 2017 acabou na lógica de “tudo muda sem nada ...

CNE proclama MPLA vencedor das eleições gerais 2017

CNE proclama MPLA vencedor das eleições gerais 2017

A Comissão Nacional Eleitoral (CNE) de Angola proclamou, hoje, oficialmente, o M...

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheiro

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheir…

José Eduardo dos Santos é destes amigos improváveis arranjados pela diplomacia b...

PAGINAS PRINCIPAIS

ENTRETENIMENTO

  • Shows
  • Música

DESPORTO

  • Girabola 2016                         
  • Outros Esportes

SOBRE NÓS

  • Grupo Media VOX POPULI

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Instagram

RÁDIOS & TV

Radio AO24 Online

Em Breve