Angola 24 Horas - ONG responsabiliza Estado por novo conflito de terras com mortos em Luanda
Menu
RSS

ONG responsabiliza Estado por novo conflito de terras com mortos em Luanda

ONG responsabiliza Estado por novo conflito de terras com mortos em Luanda

A associação angolana SOS Habitat responsabiliza o Estado pela morte quarta-feira, em Luanda, de duas mulheres, entre as quais uma grávida, atingidas por disparos de arma de fogo pela polícia, em mais um conflito sobre posse de terras.

Em causa está a morte de duas pessoas e o ferimento grave de outras duas em resultado de uma suposta tentativa de invasão de terrenos da Zona Economia Especial (ZEE), município de Viana, segundo a polícia angolana.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da SOS Habitat, André Augusto, referiu que a informação que tem é "um pouco diferenciada daquela que foi passada pela polícia no que concerne à invasão de terrenos".

"O que tem estado a acontecer em todos os processos, e em particular neste, é que o Governo angolano definiu a ZEE já por cima da ocupação de camponeses, quer na implementação do aeroporto Internacional [de Luanda, em obra] quer na construção de fábricas naquela zona", referiu.

Em comunicado, a polícia refere que o incidente ocorreu na intervenção das forças de segurança realizada na ZEE, tendo no confronto entre a polícia e a população sido efectuados disparos de arma de fogo para dispersar a multidão.

Segundo André Augusto, aquela é uma zona tradicionalmente camponesa, existindo no local mangueiras e cajueiros de quase 40 anos, sendo posterior a criação da ZEE, "quando as pessoas já viviam e cultivavam naquelas terras desde o tempo colonial".

O activista refere que a implantação de infraestruturas naquela zona "não é nenhum mal para os angolanos", mas sim o facto de "a administração do Estado ter-se demitido das suas funções, deixando que as empresas ou no caso a ZEE tratassem directamente da questão de expropriação com os camponeses, que cultivavam naquela terra", estando isto "a gerar conflito".

No caso em concreto, avançou André Augusto o que se pretende é desactivar o bairro que já existe há quase 20 anos, habitado por mais de 300 famílias, pretendendo a ZEE alegadamente demolir as casas sem indemnizar as pessoas, estando para isso a "usar a força".

"Este processo todo, o culpado deste conflito, desta mortalidade é o próprio Estado que se demitiu das suas funções", criticou o activista, considerando "excessiva" a actuação da polícia.

"O que é que tinham as pessoas para se insurgirem contra a polícia? A polícia tem armamentos, armas de fogo, o que é que tinham as pessoas para se insurgir contra a polícia, o que é que uma mulher de 35 anos, indefesa e grávida constituía como ameaça para a polícia? Não se justifica o excesso da polícia naquele processo", salientou.

André Augusto informou que a SOS Habitat esteve no terreno a fazer o levantamento dos factos, tendo constatado que as pessoas não foram notificadas para responder em tribunal sobre os espaços que ocupam e "automaticamente a ZEE pegou na polícia e entrou no terreno para demolir as casas".

"Isto não é de lei. Existem tribunais competentes, capaz de aferir a culpabilidade das pessoas, expurgar as situações, para depois mandar fazer o mandado de despejo", frisou.

"A SOS habitat está a fazer a averiguação de todo o processo, de toda a situação que ocorreu naquela zona e estamos a apelar que o Governo, o Estado na qualidade de pessoa de bem, assuma as suas responsabilidades, no sentido de responsabilizar judicialmente os indivíduos que estiveram no local e que perpetraram os disparos contra os cidadãos", disse.

Na sua nota, a polícia referiu que "de imediato" fez deslocar uma equipa de averiguação ao local para "apurar a veracidade dos factos", tendo a mesma constatado a existência das quatro vítimas, além de ter havido intervenção de forças policiais afectas ao comando da ZEE.

A polícia informou ainda que foi instaurado um inquérito para "rapidamente aferir os termos da intervenção policial e apurar responsabilidades de acordo as conclusões do inquérito".

.
..
.
.
back to top

Recomendamos