Angola 24 Horas - João Lourenço recebe denúncias de internautas
Menu
RSS

João Lourenço recebe denúncias de internautas

João Lourenço recebe denúncias de internautas

O Presidente da República, João Lourenço, revelou que está a receber denúncias e reclamações de cidadãos que podem ser encaminhadas para autoridades competentes para o devido tratamento civil ou criminal.

Num post editado esta segunda-feira, no Facebook (Click Aqui), o Chefe de Estado escreve  “ao tornarem públicas as vossas denúncias (aqui nos comentários), todo angolano que tem acesso a esta página (incluindo órgãos de soberania do Executivo), terá conhecimento e dará um tratamento desejado ao assunto.

João Lourenço pede aos cidadãos que apresentem denúncias e reclamações com urgência para o devido seguimento. O Chefe de Estado refere que são mais de cinco centenas de mensagens recebidas diariamente, o que torna impossível ler e responder a todas.

“Caríssimos amigos, queiram por gentileza, de agora em diante, apresentar vossas legítimas denúncias, reclamações, e outros depoimentos, que vós tendes deixado na caixa de mensagens da página, para passarem a fazê-lo via comentários ou publicações aqui na página”.

O Chefe de Estado sublinhou que ninguém sofrerá dano algum por expor qualquer denúncia. João Lourenço usa com frequência as redes sociais Facebook e Twitter nas quais tem páginas patrocinadas desde a altura em que era pré-candidato às eleições gerais cujo partido MPLA venceu por maioria qualificada.

Recentemente, a Procuradoria-Geral da República  garantiu que a instituição que dirige vai dar celeridade aos processos relacionados com crimes de corrupção e outros de natureza económica e financeira.

“A Procuradoria-Geral da República analisou profundamente as formas para dar  celeridade aos processos que envolvam crimes financeiros e de corrupção”, disse, à im-prensa, o sub-procurador-geral da República, no final do conselho consultivo da PGR. Gilberto Mizalaque afirmou que os magistrados  garantiram o seu empenho no combate à corrupção e à impunidade. JA

.
..
.
.
back to top

Recomendamos