Menu

Criminalização do aborto sem consenso deverá adiar aprovação do novo Código Penal

Criminalização do aborto sem consenso deverá adiar aprovação do novo Código Penal

A discussão e votação global da proposta de lei do novo Código Penal não deverá ocorrer na próxima sessão plenária da Assembleia Nacional, prevista para quinta-feira, porque é necessário debater mais alguns temas, como a questão do aborto.

A informação foi avançada hoje pelo líder da bancada parlamentar do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), Virgílio de Fontes Pereira, no final da reunião do grupo para preparação da próxima sessão plenária.

O presidente do grupo parlamentar com maior representatividade disse que a direção do seu partido, nomeadamente o secretariado do Bureau Político tomou uma posição sobre o Código Penal, «onde se inclui a questão do aborto», considerando que «é aconselhável, prudente», que seja alargada «um pouco mais a discussão sobre determinadas questões».

Segundo o deputado, face aos sinais «no momento», a orientação é para que a proposta do Código Penal seja retirada da agenda da próxima reunião plenária.

«Portanto, não se discutirá este assunto até que, do nosso ponto de vista, estejam criadas condições em momento mais apropriado para que voltemos a abordar em sede do parlamento esta matéria», referiu o presidente do grupo parlamentar do MPLA.

A criminalização absoluta do aborto, decidida em fórum das discussões na especialidade da proposta do novo Código Penal angolano, em substituição do diploma legal em vigor, de 1886, causou várias reações na sociedade angolana, divididas nas suas opiniões quanto à referida lei.

Uma das reações foi a tomada de posição de um grupo de mulheres, que convocou para sábado uma marcha contra a criminação do aborto, com o lema «Chega de Mulheres Mortas por Abortos Clandestinos».

Para o grupo de mulheres à frente da iniciativa, a aprovação de tal disposição representa «um retrocesso na luta pelo reconhecimento dos direitos das mulheres» e uma violação grosseira das garantias e postulados constantes do protocolo de Género e Desenvolvimento da SADC (Comunidade de Desenvolvimento de Países da África Austral), relativamente aos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, do qual Angola é signatária e Estado Parte.

Lusa

Mídia

voltar ao topo
Governo angolano avisa que acusação a Manuel Vicente ameaça relações com Portugal

Governo angolano avisa que acusação a Manuel Vicente ameaça relações com Portuga…

O Governo angolano classificou esta sexta-feira como "inamistosa e despropositad...

Futuro PR não deverá atacar pessoas ligadas a José Eduardo dos Santos - Alves da Rocha

Futuro PR não deverá atacar pessoas ligadas a José Eduardo dos Santos - Alves da…

O economista Alves da Rocha defendeu hoje que o provável futuro Presidente de An...

Banco Barclays recusa fortunas dos governantes e altas patentes do regime angolano

Banco Barclays recusa fortunas dos governantes e altas patentes do regime angola…

O Barclays está a fechar as portas às fortunas dos angolanos. Depois do fim do v...

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheiro

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheir…

José Eduardo dos Santos é destes amigos improváveis arranjados pela diplomacia b...

PAGINAS PRINCIPAIS

ENTRETENIMENTO

  • Shows
  • Música

DESPORTO

  • Girabola 2016                         
  • Outros Esportes

SOBRE NÓS

  • Grupo Media VOX POPULI

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Instagram

RÁDIOS & TV

Radio AO24 Online

Em Breve