Angola 24 Horas - Jovens angolanos participam na cimeira da Forbes para jovens abaixo dos 30 anos de idade
Menu
RSS

Jovens angolanos participam na cimeira da Forbes para jovens abaixo dos 30 anos de idade

Jovens angolanos participam na cimeira da Forbes para jovens abaixo dos 30 anos de idade

O projecto desenvolvido por dois angolanos: Robin Oliveira (Licenciado em Ciências da Computação em Santa Catarina, no Brasil) e Carlos Lavrado (Estudante de Mestrado em Engenharia Electrotécnica e Computadores em Lisboa, Portugal) foi representado, entre 29 de Setembro a 2 de Outubro, nos Estados Unidos da América, na cidade de Boston, onde se situam as universidades de Harvard e MIT (Massachusetts Institute of Technology), na cimeira da Forbes para jovens abaixo dos 30 anos de idade.

A iniciativa é organizada anualmente pela prestigiada revista e promove o empreendedorismo feito por jovens abaixo dos 30 anos de idade. Esta edição de 2018 contou com a participação de oradores como Kendrick Lamar (cantor), Michael Phelps (ex-nadador olímpico), Kyrie Irving (basquetebolista na NBA), John Kerry (Ex-Secretário de Estado durante o governo de Barack Obama) e muitos outros.

Entre mais de 24 mil candidaturas feitas de toda a parte do mundo, o projecto dos dois angolanos foi um dos seleccionados a participar na cimeira com um custo de apenas 75 dólares, num universo onde os bilhetes podem valer até quase 5000 dólares. Em representação dos jovens esteve presente o co-fundador Carlos Lavrado que, em três dias, participou de vários eventos, como palestras, seminários, visitas e trocas de experiências com alguns dos gigantes mundiais nos ramos da educação, tecnologia, finanças, banca, capitalismo, comércio electrónico, desporto e de outras áreas.

O projecto em causa ʽCROPʼ, apresentado pelos jovens angolanos, “representa uma oficina de programação cujo principal objectivo é o ensino da computação às crianças e adolescentes em Angola, pois, com o uso de programação, estes irão desenvolver e implementar fisicamente soluções para problemas ou projectos de laboratório, usando placas programáveis Arduino. É um conceito relativamente novo em Angola, mas que visa equilibrar a educação computacional e o acesso às novas tecnologias por parte dos estudantes angolanos em relação ao mundo. O foco principal é o desenvolvimento cognitivo a partir de pensamento lógico computacional e a capacitação técnica com o objectivo de criar cidadãos capazes de resolver problemas nas mais variadas áreas da sociedade,” explicaram.

.
..
.
.
back to top

Recomendamos