Quinta, 25 de Julho de 2024
Follow Us

Quarta, 31 Mai 2023 21:40

Angola coloca em funcionamento primeira central fotovoltaica e poupa 28 milhões de dólares ano

A primeira central fotovoltaica angolana, Central Solar de Caraculo, no Namibe, entrou em funcionamento para produzir energia limpa de utilização doméstica e industrial, poupando ao Estado cerca de 28 milhões de dólares ano (25,4 milhões de euros).

De acordo com uma nota de imprensa da Energy, Capital and Power, a que a Lusa teve hoje acesso, o empreendimento inaugurado, terça-feira, está localizado no município da Bibala, a 60 quilómetros da capital provincial, Moçâmedes, numa zona desértica e inclui 46 mil painéis solares, um edifício de operações e outras estruturas de apoio, para produzir numa primeira fase 25 megawatts de energia.

A energia produzida em Caraculo será injetada na rede de distribuição sul, concretamente na linha de transmissão que passa a poucos metros da localização desta unidade, e será toda adquirida e entregue à Rede Nacional de Transporte de Energia.

Com a sua entrada em funcionamento, prevê-se que esta central reduza em cerca de 50 mil toneladas de emissões de dióxido de carbono (CO2) e produza energia limpa pelo menos durante 25 anos, estimando-se que o Estado angolano passe a poupar anualmente, só nesta primeira fase, cerca de 28 milhões de dólares (26,2 milhões de euros), com a menor necessidade de aquisição de gasóleo.

As obras de construção foram executadas pelo consórcio Solenova, que junta a petrolífera italiana Eni, através da sua participada Azule Energy, e a Sonangol, petrolífera estatal angolana, cujo modelo de negócios passou também a contemplar projetos de energias renováveis, em resposta à estratégia do executivo angolano de reforçar o sistema elétrico nacional.

A Estratégia Energética Angola 2025 visa assegurar a produção de 500 megawatts de energia renovável nos próximos dois anos.

A Central Solar de Caraculo vai garantir as necessidades energéticas da província do Namibe, com uma redução das emissões de gases com efeito de estufa, contribuindo, igualmente, para reduzir o consumo de gasóleo utilizado para a produção de eletricidade em centrais térmicas, diversificando assim a matriz energética em Angola.

O projeto da Central Solar do Caraculo prevê uma segunda fase com um aumento da capacidade de produção para 50 megawatts, que passará a disponibilizar energia limpa também para algumas regiões da província da Huíla.

Para o presidente da Câmara de Energia Africana Angola, Sérgio Pugliese, citado na nota, “a inauguração desta central fotovoltaica demonstra o compromisso do Governo angolano com a transição energética”.

“Recordo que, durante a Conferência Angola Oil & Gas 2022, numa das suas intervenções, o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino Azevedo, sublinhou que estes projetos estruturais para o setor energético de Angola já estariam em funcionamento no ano de 2023”, frisou.

"Este projeto da Sonangol e Azule Energy confirma, igualmente, a importância de eventos como a Conferência e Exposição Angola Oil & Gas 2023 e os seus contributos para o desenvolvimento sustentável e uma economia descarbonizada”, acrescentou Sérgio Pugliese.

O potencial de energia renovável em Angola será um dos temas principais a ser revelado e debatido na Conferência e Exposição Angola Oil & Gas 2023, que vai acontecer em setembro, em Luanda.

Rate this item
(0 votes)