Terça, 07 de Abril de 2020
Follow Us

Quinta, 19 Dezembro 2019 01:24

Mãe de jornalista Abel Abraão solicita investigação à morte do filho

A família do repórter de guerra Abel Abraão, falecido em finais de Novembro, na cidade do Cuito, deu entrada de uma queixa-crime junto da representação da Procuradoria-Geral da República na província do Bié, por suspeitar que o jornalista não tenha morrido de causas naturais.

O Jornal de Angola tomou conhecimento da decisão da família do falecido jornalista quando soube que a mãe de Abel Abraão escreveu para a Ordem dos Advogados de Angola (OAA) a pedir assistência judiciária, por não ter condições financeiras para constituir um advogado.

Na carta, endereçada à Ordem dos Advogados de Angola, Albina Caveli Salgado pede que lhe seja concedida assistência judiciária, por ter dado entrada de uma queixa-crime, remetida ao subprocurador-geral da República titular da província do Bié, sobre “possíveis indícios que levaram à morte de Abel Abraão.”

A mãe de Abel Abraão, jornalista que antes de morrer ainda viu o seu nome a ser atribuído à Mediateca do Bié, pede à Ordem dos Advogados de Angola que indique um advogado sénior e com experiência na área criminal para dar seguimento ao processo remetido à Procuradoria-Geral da República no segundo dia deste mês de Dezembro.

Albina Caveli Salgado pediu encarecidamente à Ordem dos Advogados de Angola que respondesse, com maior brevidade possível, ao seu pedido, porque os suspeitos podem ser notificados a qualquer momento para serem ouvidos pela Procuradoria-Geral da República.

Enoque Chivango, o advogado indicado pela Ordem dos Advogados de Angola para defender os interesses da família de Abel Abraão no processo, confirmou, hoje, ao Jornal de Angola, a partir do Bié, a entrada de um pedido de assistência judiciária feito por Albina Caveli Salgado, mãe do malogrado jornalista.

Numa conversa telefónica, o advogado Enoque Chivango foi parco em palavras, um cuidado que teve para, como alegou, não comprometer a confiança que deve haver na relação advogado-constituinte.

Após insistência do repórter, o causídico, sempre cauteloso e lacónico, revelou que deu entrada, na terça-feira, na representação da Procuradoria-Geral da República na província do Bié, de um documento que lhe outorga poderes forenses para representar a mãe de Abel Abraão no processo resultante da queixa-crime.

A autópsia ao corpo de Abel Abraão revelou ter sido um AVC a causa da morte do repórter de guerra, mas a família do repórter de guerra admite que o seu desaparecimento físico tenha sido resultante da “interferência de terceiros.”

“Por enquanto, eu não consigo ir ao detalhe”, explicou o advogado Enoque Chivango, acentuando que, para melhor se pronunciar, precisa de fazer um acompanhamento da investigação da PGR à morte do jornalista, para o apuramento dos “indícios de crime” que a família admite haver em torno da morte de Abel Abraão.

A uma pergunta sobre se já esteve com a mãe de Abel Abraão, o advogado disse ter estado, até ontem, apenas com um irmão do malogrado, que lhe disse estar a família revoltada com a morte do repórter de guerra.

Abel Abraão ficou conhecido do público por ter feito, na condição de repórter de guerra, a cobertura da guerra do Cuito, uma cidade que esteve sitiada pelas forças militares da UNITA, na sequência do retorno à guerra civil, depois de a UNITA ter rejeitado os resultados das primeiras eleições gerais da história de Angola, realizadas em 1992.

Correndo risco de vida debaixo de flagelamentos diários do exército da UNITA contra a cidade do Cuito, Abel Abraão narrava o desenvolvimento do teatro de guerra em horário nobre da Rádio Nacional de Angola (RNA), para cuja emissora estatal entrou, ainda jovem, em 1980.

Rate this item
(1 Vote)

Log in or Sign up