Angola 24 Horas - Oposição denuncia "cultura do silêncio" do Governo sobre situação de antiga ministra
Menu
RSS

Oposição denuncia "cultura do silêncio" do Governo sobre situação de antiga ministra

Oposição denuncia "cultura do silêncio" do Governo sobre situação de antiga ministra

Quatro dias depois de a recentemente exonerada ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher ter dado entrada na clínica Girassol, na passada quinta-feira, 3, continuam a pairar muitas dúvidas sobre o estado de saúde de Victória Francisco Correia da Conceição. O silêncio é total da clínica, do Governo e da família. Nem Governo, clínica e familiares pronunciam-se sobre a saúde da antiga ministra

Os principais partidos da oposição em Angola criticam o silêncio do Governo em torno da situação da recentemente exonerada ministra da Acção Social, Família e Promoção da Mulher, Victória da Conceição, internada desde quarta-feira, 2, na clínica Girassol.

Eles dizem também que a clínica Girassol, onde Conceição deu entrada, está impedida de dar informações e desafiam o Presidente João Lourenço a indicar alguém para dar esclarecimentos à população.

Como a VOA informou na quinta-feira, 3, Victória da Conceição terá tentado o suicídio na noite de quarta-feira, depois de ter apanhado do guarda, enquanto dormia, uma arma com a qual terá tentado suicidar-se. Horas antes ela tinha sido exonerada do cargo pelo Presidente João Lourenço.

A informação foi prestada à VOA por um médico da clínica Girassol que, na sexta-feira, confirmou que Conceição teria falecido, mas informações contraditórias levantam muitas dúvidas sobre o caso.

O jornalista William Tonet, director do Folha8, diz ser uma situação estranha que não abona a imagem do Executivo angolano.

Tonet, que também é jurista, afirma ser responsabilidade do Presidente da República indicar “um representante para esclarecer sobre o estado de saúde” de Victória da Conceição.

Do lado dos partidos da oposição, Alexandre André, vice-presidente da CASA-CE, considera que este silêncio mostra o desrespeito pela população angolana que precisa ser informada.

Para ele, não é aceitável que não haja um boletim informativo sobre o que se passa com a antiga ministra exonerada e que tentou o suicídio.

André apela as autoridades a emitirem um esclarecimento urgente sobre o que terá passado.

“É uma vergonha para o próprio país, não haver um boletim informativo sobre o que se passa realmente” reforça.

Por seu lado, Raul Danda, vice-presidente da UNITA, entende ser o silêncio uma cultura antiga de não informar sobre o estado de saúde de qualquer dirigente.

“É uma cultura em Angola não comunicar o estado de saúde dos dirigentes, ou seja aqui nós não ficamos doentes”, afirma Danda para quem “certamente a clínica não presta informação porque está a a ser impedida, e com certeza pelo poder”.

Entretanto, a VOA contactou uma fonte da Polícia Nacional que adiantou estar o caso a nível da Presidência da República, enquanto uma fonte da família escusou-se a comentar o caso, afirmando que só as autoridades competentes podem pronunciar-se.

Recorde-se que o Presidente João Lourenço cancelou um encontro que tinha marcado para o passado sábado com o Presidente de Cabo Verde, na ilha do Sal, numa escala a caminho dos Estados Unidos, onde deveria realizar uma visita privada.

Last modified onSegunda, 07 Janeiro 2019 20:48
.
..
.
.
back to top

Recomendamos