Menu
RSS

Seis mortos na repressão de protesto na República Democrática do Congo

Seis mortos na repressão de protesto na República Democrática do Congo

Seis pessoas morreram na República Democrática do Congo no domingo, disse a ONU, quando as autoridades repreenderam um protesto proibido contra o presidente Joseph Kabila.

Testemunhas disseram que forças de segurança dispararam rodadas ao vivo e gás lacrimogêneo em Kinshasa para dispersar manifestantes que se reuniram depois que os líderes da igreja católica pediram uma manifestação pacífica em massa contra o governo de 17 anos de Kabila.

A missão da ONU para a manutenção da paz, a MONUSCO, disse que seis pessoas foram mortas em Kinshasa e 49 outras pessoas feridas em todo o país em manifestações anti-Kabila.

Acrescentou que 94 pessoas foram presas em todo o país.

 Um porta-voz da polícia nacional disse à televisão estatal que “duas pessoas morreram” na capital, enquanto nove policiais foram feridos, dois deles seriamente.

Dos dois morreram de acordo com o pedágio das autoridades, um policial lançou um tiroteio, disse o porta-voz da presidência, Yvon Ramazani, em uma ligação à AFP. “O policial está preso e deve ser levado à justiça”, disse ele. Uma menina de 16 anos morreu depois que os tiros foram disparados de um veículo blindado na entrada de uma igreja na área de Kitambo, disse à AFP Jean-Baptise Sondji, ex-ministro e oponente do governo.

A repressão sangrenta de domingo ocorre três semanas depois de uma marcha semelhante na véspera de Ano Novo ter terminado em violência mortal, durante a qual os organizadores disseram que uma dezena de pessoas morreram. “Um carro blindado passou na frente da igreja. Eles começaram a disparar balas ao vivo, eu me protegi”, disse Sondji, que também é médico, por telefone.

 “Uma garota que estava na porta do lado esquerdo da igreja foi atingida por uma bala”, disse ele, acrescentando que já estava morta quando foi levada de táxi para o hospital.

O ministro do governo, Felix Kabange Numbi, disse à AFP que “centenas de pessoas recrutadas pelo pároco de Saint-Christophe tentaram entrar” em sua residência. “Meu guarda disparou tiros de alerta antes da chegada de reforços que prenderam 145 pessoas”, disse ele. Tensões também foram relatadas por jornalistas da AFP nas principais cidades de Kisangani, Lubumbashi, Goma, Beni e Mbuji Mayi.

Apelos à paz

As redes de mensagens de internet, e-mail e redes sociais foram cortadas na capital antes da marcha.

As forças de segurança instalaram barreiras nas principais rotas e oficiais armados realizaram verificações de identificação. A igreja pediu manifestações em todo o país apesar da proibição do governo de todas as manifestações desde setembro de 2016, quando os protestos anti-Kabila se tornaram violentos. O chefe da comunidade muçulmana, Cheikh Ali Mwinyi M’Kuu, havia instado as autoridades no sábado a permitir que a marcha acontecesse. “Se eles decidirem reprimir, não haverá paz.

Mas se eles deixarem a marcha, eles respeitarão a constituição e a paz prevalecerá”. A anterior marcha anti-Kabila, em 31 de dezembro, desceu em uma sangrenta repressão depois que policiais e forças de segurança abriram fogo contra manifestantes. Organizadores de protesto disseram que 12 pessoas foram mortas, enquanto as Nações Unidas relataram pelo menos cinco mortos. As autoridades disseram que nenhuma morte naquele dia foi vinculada à demonstração. A poderosa Igreja Católica do país, uma das poucas instituições para desfrutar nacionalmente ampla credibilidade, condenou o que chamou de “barbárie”. A ONU e a França também soaram sua preocupação com o número de mortos.

Salvar o Congo’

Um grupo de oito intelectuais se juntou à igreja para pedir que a marcha seja pacífica.

O chamado “comitê secular de coordenação” pediu às pessoas que marchem após a missa “com nossos ramos da paz, nossas bíblias, nossos rosários, nossos crucifixos, para salvar o Congo”. Foram emitidos mandados de detenção contra pelo menos cinco membros do comitê, disse um magistrado à AFP, levando-os a se esconderem.

O comitê pediu a libertação de prisioneiros políticos, para permitir o retorno de adversários políticos exilados e, acima de tudo, uma garantia de que Kabila vai demitir-se e não buscar um terceiro mandato.

O presidente, 46, está no poder desde 2001, sob o comando de um regime amplamente criticado por corrupção, repressão e incompetência. Seu mandato constitucional no cargo expirou em dezembro de 2016, mas ele continuou, provocando uma espiral de violência sangrenta.

Sob um acordo negociado pela Igreja Católica, ele foi autorizado a permanecer no cargo desde que novas eleições fossem realizadas em 2017. As autoridades disseram mais tarde que os problemas organizacionais significaram que a votação seria realizada em 23 de dezembro de 2018 – um adiamento que irritou as nações ocidentais, mas que aceitaram relutantemente.

Papa pede às autoridades da República Democrática do Congo para evitar violência

O papa Francisco apelou hoje às autoridades da República Democrática do Congo (RDC) que evitem "qualquer forma de violência", no final da oração do Angelus, proferida hoje em Lima.

"Hoje, chegaram-me notícias muito inquietantes, da RDC. Oremos pelo Congo", disse o papa, na praça principal de Lima, diante uma multidão.

"Peço às autoridades, aos responsáveis e a todos nesse país bem-amado que levem a cabo todos os esforços para evitar qualquer forma de violência e procurar soluções a favor de um bem comum", acrescentou.

O papa terminou hoje uma viagem de uma semana à América Latina, a sexta do seu pontificado, que iniciou no Chile, de onde seguiu para o Peru, onde hoje à tarde celebrou uma grande missa para uma multidão, em Lima.

A onda de violência na RDC já causou 49 feridos, tendo 94 pessoas sido detidas, segundo o porta-voz da Monusco, Florence Marchal.

..
..
back to top

Recomendamos