Menu
RSS

João Lourenço licencia à reforma cinco oficiais generais e ex-comandante da Polícia

João Lourenço licencia à reforma cinco oficiais generais e ex-comandante da Polícia

O Presidente angolano, João Lourenço, enquanto comandante-em-chefe, passou à reforma cinco oficiais generais, entre os quais o anterior chefe da secreta militar que exonerou esta semana, o mesmo acontecendo com o anterior comandante-geral da Polícia Nacional.

De acordo com ordens de serviço assinadas por João Lourenço, com data de 17 de novembro e aos quais a Lusa teve hoje acesso, assinadas pelo comandante-em-chefe das forças de segurança e armadas, o comissário-chefe Ambrósio de Lemos, da Polícia Nacional, é um dos licenciados à reforma.

Ambrósio de Lemos era comandante-geral da Polícia Nacional de Angola desde 2006, nomeado para as funções pelo anterior chefe de Estado, José Eduardo dos Santos, que entretanto o reconduziu no cargo ao longo dos anos.

Na segunda-feira, o Presidente angolano anunciou a sua exoneração e a nomeação do comissário-geral Alfredo Mingas como novo comandante-geral da Polícia Nacional.

O chefe de Estado passou ainda à reforma, por terem atingido o limite de idade, e também depois de ouvir o Conselho de Segurança Nacional, três generais, um almirante e um brigadeiro das Forças Armadas Angolanas.

É o caso do general António José Maria, tido como do círculo mais próximo do ex-Presidente da República, e que tinha sido nomeado em 2009 como chefe do Serviço de Inteligência e de Segurança Militar por José Eduardo dos Santos.

Foi exonerado igualmente esta semana pelo novo Presidente angolano, que nomeou para aquelas funções o general Apolinário José Pereira.

Outros dois influentes generais angolanos, Carlos Alberto Hendrick Vaal da Silva e Fernando Torres Vaz da Conceição, foram licenciados à reforma no topo da carreira militar.

O mesmo aconteceu com o almirante Gaspar Santos Rufino, reconduzido em setembro, por João Lourenço, nas funções de secretário de Estado para a Defesa Nacional, e o brigadeiro António dos Santos e Sousa.

Desde que tomou posse, a 26 de setembro, na sequência das eleições gerais angolanas de 23 de agosto, João Lourenço procedeu a exonerações de várias administrações de empresas estatais, dos setores de diamantes, minerais, petróleos, comunicação social, banca comercial pública e Banco Nacional de Angola, anteriormente nomeadas por José Eduardo dos Santos.

A exoneração de Isabel dos Santos, filha do ex-chefe de Estado, do cargo de presidente do conselho de administração da petrolífera estatal Sonangol, aconteceu na quarta-feira passada e foi a decisão mais mediática, seguindo-se a polícia, serviços prisionais, serviço de estrangeiros, bombeiros e chefias militares.

José Eduardo dos Santos anunciou em 2016 que pretendia abandonar a vida política em 2018, mas nesse mesmo ano recandidatou-se, de novo, à liderança do MPLA, renovando o mandato de cinco anos.

Mídia

voltar ao topo
SIC apresenta provas e os assassinos de apresentadora da TPA

SIC apresenta provas e os assassinos de apresentadora da TPA

Os homens envolvidos na morte da ex-apresentadora da Televisão Pública de Angola...

Apresentadora da TPA encontrada morta em Viana após rapto

Apresentadora da TPA encontrada morta em Viana após rapto

A apresentadora da Televisão Pública de Angola Beatriz Fernandes foi hoje encont...

CNE proclama MPLA vencedor das eleições gerais 2017

CNE proclama MPLA vencedor das eleições gerais 2017

A Comissão Nacional Eleitoral (CNE) de Angola proclamou, hoje, oficialmente, o M...

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheiro

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheir…

José Eduardo dos Santos é destes amigos improváveis arranjados pela diplomacia b...

PAGINAS PRINCIPAIS

ENTRETENIMENTO

  • Shows
  • Música

DESPORTO

  • Girabola 2016                         
  • Outros Esportes

SOBRE NÓS

  • Grupo Media VOX POPULI

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Instagram

RÁDIOS & TV

Radio AO24 Online

Em Breve