Menu

Angola deve aprender com erros do passado e apostar na diversificação - OCDE

Angola deve aprender com erros do passado e apostar na diversificação - OCDE

O diretor adjunto do Centro de Desenvolvimento da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) considera que Angola deve aprender com os erros do passado e apostar seriamente na diversificação da economia.

Em entrevista à Lusa à margem da apresentação da edição portuguesa do relatório "Perspetivas Económicas em África 2017: Empreendedorismo e Industrialização", que decorreu em Lisboa, Federico Bonaglia disse que Angola falhou nas políticas económicas, que não apostaram na diversificação, e não melhorou significativamente a redução da pobreza.

"O que esperamos em Angola é que a nova liderança aprenda com esta situação anterior e invista mais na construção das ligações entre o setor extrativo e o resto da economia, e também melhore a capacidade dos cidadãos participarem na governação do país e na melhoria da qualidade das instituições", disse Bonaglia.

Ainda sobre Angola, que conheceu um abrandamento económico desde a descida dos preços do petróleo, o diretor adjunto do Centro de Desenvolvimento da OCDE avisou que "o facto de o crescimento estar concentrado em setores que não geram emprego significa que mesmo que a economia cresça, não vai ter um 'efeito-cascata' até aos cidadãos de forma a reduzir a pobreza".

Em Angola, vincou, "é preciso usar melhor as receitas geradas pelo petróleo nos últimos anos", até porque "há uma nova liderança e isso pode trazer novas abordagens políticas".

O problema, concluiu, é que o dinheiro do petróleo não parece chegar às populações: "Se olharmos para o crescimento dos preços do petróleo e compararmos com o crescimento da economia em Angola e a melhoria das condições de vida das populações, vemos que a equação não é muito favorável, porque a taxa de pobreza ainda é muito alta e a incidência do crescimento económico na redução da pobreza tem sido muito desigual".

O relatório da OCDE, Banco Africano para o Desenvolvimento e Nações Unidas, divulgado em agosto, prevê que Angola tenha crescido 1,1% e acelere este ano para 2,3% e 3,2% em 2018 "devido ao aumento previsto das despesas públicas e uma melhoria dos termos de troca, resultante da recuperação do preço do petróleo".

Entre as recomendações do relatório está aumentar "o investimento em capital humano, prosseguir a diversificação e reduzir a vulnerabilidade da sua economia para passar a integrar o grupo dos países de rendimento médio em 2021".

Mídia

voltar ao topo
Medo do MPLA: Oposição obteve maioria na Assembleia Nacional

Medo do MPLA: Oposição obteve maioria na Assembleia Nacional

O pleito eleitoral de 23 de Agosto 2017 acabou na lógica de “tudo muda sem nada ...

CNE proclama MPLA vencedor das eleições gerais 2017

CNE proclama MPLA vencedor das eleições gerais 2017

A Comissão Nacional Eleitoral (CNE) de Angola proclamou, hoje, oficialmente, o M...

Reclusas no Kwanza Sul denunciam que são obrigadas a fazer sexo em troca da amnistia

Reclusas no Kwanza Sul denunciam que são obrigadas a fazer sexo em troca da amni…

Após a divulgação de imagens que mostram a falta de água e de alimentação em vár...

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheiro

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheir…

José Eduardo dos Santos é destes amigos improváveis arranjados pela diplomacia b...

PAGINAS PRINCIPAIS

ENTRETENIMENTO

  • Shows
  • Música

DESPORTO

  • Girabola 2016                         
  • Outros Esportes

SOBRE NÓS

  • Grupo Media VOX POPULI

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Instagram

RÁDIOS & TV

Radio AO24 Online

Em Breve