Menu

O novo desafio da comissão política da UNITA

O novo desafio da comissão política da UNITA

Já era do domínio mais ou menos geral que o líder da UNITA, Dr. Isaias Samakuva granjeava enorme apoio entre angolanos. A última campanha eleitoral veio apenas confirmar a simpatia nutrida por várias franjas da nossa sociedade. Tudo leva a crer que os níveis dessa simpatia cresceram cada vez mais, a partir do momento em que o líder da UNITA reafirmou o seu desejo de abandonar a Direcção do Partido.

Por Lourenco Antônio

“Afirmei aos angolanos antes e durante a campanha eleitoral que depois das eleições deixaria o cargo de Presidente da UNITA para servir o partido numa posição diferente. Mantenho e reafirmo esta decisão", disse o Dr. Isaías Samakuva aos membros do Comité Permanente.

Essas palavras que foram recebidas com surpresa no seio Partido, geram sentimento de preocupação entre militantes e em alguns círculos são mesmo rejeitadas. O Comité Permanente da Comissão, o órgão de cúpula informado de forma oficial, limitou-se a afirmar em comunicado que tinha “tomado nota da decisão pessoal do Presidente do Partido".

De vários sectores do Partido e da sociedade chegam indicações de que é agora que Isaias Samakuva deve permanecer na Direcção da UNITA, com argumentos de que as esperanças dos angolanos continuam a ser depositadas na UNITA e no seu líder. Dizem que é agora que, como bom caçador Isaias Samakuva não deve quebrar a azagaia, mas continuar a caçar presas. Recomendam, por isso, que a Comissão Política que se vai reunir em data ainda não indicada, mas antes do fim do ano de 2017, tenha a sabedoria e atitude madura de remover o Dr. Isaias Samakuva da sua posição pessoal.

Dizem ainda que é agora que os militantes da UNITA devem escutar os clamores da sociedade e convencer o Dr. Isaias Samakuva a permanecer e a não abandonar os angolanos a meio do caminho. Para esses sectores, as mudanças que Angola precisa nunca virão do MPLA, lamentavelmente, mas devem começar a ser exigidas pela oposição com a UNITA de Isaías Samakuva a testa, na Assembleia Nacional, com aprovação de normas legais que agilizem a implementação das autarquias locais. As mudanças devem começar agora, com a transmissão em directo pela TPA e pela Zimbo dos debates que passam a ter lugar brevemente na Casa Magna. Devem começar agora, com combate verdadeiro à corrupção e ao nepotismo, com a valorização do angolano, na base das suas competências e não mais com base na militância partidária.

No entender desses sectores, muitos problemas que enfermam a vida dos angolanos foram criados pelo Partido no poder há 42 anos, através da sua má gestão, e a solução dos mesmos não pode ser proporcionada pelo MPLA. Acreditam, piamente que as propostas que a UNITA e o Dr. Isaias Samakuva apresentaram durante a última campanha eleitoral contêm terapia para os males que enfermam Angola.

Daí que apesar do actual quadro político, ainda repousam sobre a UNITA e o Dr Samakuva as esperanças da solução aos problemas que afectam a vida de milhões de angolanos, sendo essa a principal razão da presença numerosa de angolanos em actos de Samakuva na fase da campanha eleitoral.

A UNITA é um projecto de sociedade fundado por angolanos patriotas encabeçados pelo Dr Jonas Malheiro Savimbi, cuja finalidade é dar aos angolanos uma vida digna e honrosa. Depois de Jonas Savimbi, a Direcção da UNITA tem pesado sobre os ombros do Dr Isaias Samakuva, que desde 2003, tem merecido a confiança dos militantes do Partido. No mandato que começou com a sua reeleição em Dezembro de 2015, o Dr Isaias Samakuva tem reiteradas vezes afirmado à imprensa o seu desejo pessoal de deixar a liderança da UNITA, continuando a servir a mesma noutra posição.

Os resultados das recentes eleições que na óptica da CNE e do TC deram vitória ao MPLA terão precipitado a decisão do Presidente Samakuva, que não tendo sido eleito presidente da república, entende chegado o momento de servir a UNITA fora do cadeirão máximo. Embora de todos os membros da UNITA a posição do Presidente mereça respeito, a decisão final passa pela aprovação da Comissão Política que em sede de uma reunião do órgão deliberativo apreciará o relatório da Direcção da Campanha Eleitoral para as eleições de 2017 e terá, então de se pronunciar sobre a oportunidade ou não da convocação do congresso extraordinário para a eleição do novo presidente do Partido.

Contra as expectativas da vitória da UNITA e de um maior equilíbrio na Assembleia Nacional, a CNE atribuiu ao Partido liderado por Isaías Samakuva nada mais do que 51 Deputados, mais 19 que na legislatura passada. Para alguns sectores do Partido, esse resultado administrativo que a UNITA vinha rejeitando há bastante tempo não tem sabor da derrota. Deste modo, rejeitam a ideia de considerar o Dr. Samakuva único culpado elo desaire nas eleições de 23 de Agosto. Para esse segmento que olha para o longo percurso da UNITA numa perspectiva de luta prolongada, durante a qual o Partido tem registado êxitos palpáveis, o resultado obtido no pleito reflecte algum ganho e como se diz na gíria “grão a grão a galinha vai enchendo o papo”. Dito de outro modo, apesar de tudo, incluindo a maneira como foram manobrados os resultados eleitorais, a UNITA está mais próximo do seu objectivo. Conquistou os corações dos angolanos e vem colhendo simpatia nos seio das populações e dos meios urbanos e instituições que, até certa altura, eram hostis à UNITA, em virtude da propaganda de diabolização pelos meios de comunicação tutelados pelo MPLA. Para esse segmento, o ônus dos resultados das eleições não é exclusivo do Presidente do Partido, deve ser assumido por todos. Por isso, essa corrente não aceita que o facto de não ter chegado ao Palácio da Cidade Alta seja motivo suficiente para o Dr. Samakuva colocar à disposição o cadeirão presidencial.

Há, entretanto, outros sectores no Partido, que dando ouvidos a certos segmentos da sociedade, mostram-se sensíveis aos anos de liderança do Dr. Isaías Samakuva, pressionam para a sua saída e vão construindo a ideia moralista de cumprimento da palavra dada.

Bem, até lá, a ver vamos.

Teremos de um lado o Presidente Samakuva a manter a sua posição e do outro a Comissão Política em representação de militantes divididos, entre os que apoiam a permanência na liderança do actual Presidente e os que estão contra, portanto, a favor da interrupção do mandato e eleição do novo inquilino da Maianga.

Modificado emterça, 03 outubro 2017 13:47

Mídia

voltar ao topo
Medo do MPLA: Oposição obteve maioria na Assembleia Nacional

Medo do MPLA: Oposição obteve maioria na Assembleia Nacional

O pleito eleitoral de 23 de Agosto 2017 acabou na lógica de “tudo muda sem nada ...

CNE proclama MPLA vencedor das eleições gerais 2017

CNE proclama MPLA vencedor das eleições gerais 2017

A Comissão Nacional Eleitoral (CNE) de Angola proclamou, hoje, oficialmente, o M...

Reclusas no Kwanza Sul denunciam que são obrigadas a fazer sexo em troca da amnistia

Reclusas no Kwanza Sul denunciam que são obrigadas a fazer sexo em troca da amni…

Após a divulgação de imagens que mostram a falta de água e de alimentação em vár...

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheiro

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheir…

José Eduardo dos Santos é destes amigos improváveis arranjados pela diplomacia b...

PAGINAS PRINCIPAIS

ENTRETENIMENTO

  • Shows
  • Música

DESPORTO

  • Girabola 2016                         
  • Outros Esportes

SOBRE NÓS

  • Grupo Media VOX POPULI

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Instagram

RÁDIOS & TV

Radio AO24 Online

Em Breve