Menu

Titica, a cantora trans sucesso entre crianças esta no Rock in Rio

Titica, a cantora trans sucesso entre crianças esta no Rock in Rio

'Consegui entrar na casa das pessoas através das crianças, elas são meus anjos', conta angolana. Com a Baiana System, ela gravou 'Capim Guiné' e tocará no palco Sunset nesta sexta (22).

Titica se tornou um ícone pop em Angola, desafiando o conservadorismo de seu país com a ajuda das crianças. A cantora, uma das atrações do palco Sunset no segundo fim de semana do Rock in Rio, explica ao G1:

"Consegui entrar na casa das pessoas através das crianças. Elas são meus anjos."

Considerada a rainha do kuduro e já citada como referência por Björk, Titica conta ter sido a primeira artista de Angola a assumir sua transexualidade, aos 17 anos. "Tive medo. Não foi fácil e não é até hoje. Tem certos lugares em que não canto", diz.

Seu carisma e a popularização do gênero, antes marginalizado, também foram determinantes para vencer o preconceito. "Hoje, quando falam em dez boas artistas angolanas, meu nome está lá no meio e fico feliz por isso."

Bahia e Angola

O kuduro nasceu nos guetos de Luanda e, por muito tempo, foi associado ao crime, segundo a cantora. A sonoridade tem referências de rap, funk, house e eletrônica. As letras, geralmente cantadas em português, podem falar de amor, sensualidade, sofrência ou protesto.

As coreografias também são importantes. Titica já emplacou, entre outras, "Chão chão", "Olha o boneco", "Procura o brinco" e "Estou na parede".

No Rock in Rio, esse ritmo vai se juntar nesta sexta (22) às batidas da Baiana System, banda que é queridinha da nova música de Salvador. O grupo e a cantora - que foi bailarina e já dançou no carnaval da Bahia - gravaram juntos "Capim Guiné". A faixa, que também tem a participação de Margareth Menezes, será apresentada ao vivo no palco Sunset.

Na entrevista abaixo, Titica fala sobre os elementos que aproximam Bahia e Angola, a história do kuduro e a falta de intercâmbio cultural entre o Brasil e seu país. Também conta como é ser uma artista trans em uma nação que rejeita homossexuais.

G1 - O que aproxima o seu som e o da Baiana System?

Titica - A parte eletrônica. As músicas deles são mais eletrônicas, tem mistura de rock, e isso tem muito a ver com o kuduro. As duas coisas casam.

G1 - Você gravou com a banda a música "Capim Guiné", que foi feita pelo Russo Passapusso [vocalista da Baiana System]. Como deu sua cara à faixa?

Titica - A música já estava pronta quando ele mandou. Vou confessar que não é bem a minha praia cantar músicas com letras assim, mais engajadas. Sou de músicas mais safadas, na linguagem certa. Mas foi bom. Gostei da batida, é uma nova experiência.

G1 - Como será o clima desse encontro no palco?

Titica - A química entre nós foi boa, graças a Deus. O mais importante é a boa química. No palco, vamos deixar fluir. Sei que vai ter boa coisa. Vai ter muito kuduro, até o chão. Não sou muito de falar, gosto mais de fazer.

G1 - Você é sempre citada como a primeira artista assumidamente transexual do seu país. Isso é verdade? Como foi se assumir?

Titica - É verdade sim. No início não foi fácil, tem preconceito e tudo isso.

"Eu sempre lutei para me impor, para impor respeito. Sempre vivi minha vida. E, graças a Deus, sou uma artista carismática. A maioria dos meus fãs é formada por menores de idade e pessoas mais velhas."

Tenho essa proteção das crianças. Consegui entrar na casa das pessoas através das crianças. Elas são meus anjos.

G1 - Você já teve medo que o preconceito prejudicasse a sua carreira?

Titica - Tive. Não foi fácil e não é até hoje. Tem certos lugares em que eu não canto. Mas, hoje, quando falam em dez boas artistas angolanas, meu nome está lá no meio e fico muito feliz por isso. Tive de lutar, me impor, não fazer frente à ninguém, fazer bem meu trabalho. Sempre tive foco e hoje sou respeitada.

G1 - Acha que a intolerância tem diminuído?

Titica - Tem diminuído muito. Há lugares em que eu não cantava e hoje em dia já canto. Há pessoas que não me aceitavam.

"As pessoas associavam minha sexualidade à minha música. Passaram a separar, a conhecer. Muita gente julgava sem conhecer. O respeito agora é outro."

G1 - O Brasil e a Angola falam a mesma língua, mas o intercâmbio cultural entre os dois países é pouco. Na sua opinião, por que isso acontece?

Titica - Tinha mesmo que haver mais intercâmbio cultural. O povo brasileiro é muito por ele mesmo, dá mais valor às suas coisas. E tem que ser assim. Mas temos que fazer mais intercâmbio, assim aprendemos mais com o povo brasileiro e eles aprendem conosco.

Mesmo assim, há muitos brasileiros que tem ido a Angola para dividir o palco com a gente. Alcione, Roberta Miranda… Também já foram Roberto Carlos, Alexandre Pires e Belo, que é muito querido por lá.

G1 - O kuduro é o pop da Angola?

Titica - É sim, é um gênero muito, muito ouvido. A princípio, foi muito criticado. Poucas mulheres faziam kuduro e os rapazes que faziam eram considerados marginais.

"Os que estavam na vida do crime viam o kuduro como uma forma de libertação. Eles ficavam famosos e abandonavam a má vida porque conseguiam ter o pão de cada dia. "

G1

Mídia

voltar ao topo
Medo do MPLA: Oposição obteve maioria na Assembleia Nacional

Medo do MPLA: Oposição obteve maioria na Assembleia Nacional

O pleito eleitoral de 23 de Agosto 2017 acabou na lógica de “tudo muda sem nada ...

CNE proclama MPLA vencedor das eleições gerais 2017

CNE proclama MPLA vencedor das eleições gerais 2017

A Comissão Nacional Eleitoral (CNE) de Angola proclamou, hoje, oficialmente, o M...

Reclusas no Kwanza Sul denunciam que são obrigadas a fazer sexo em troca da amnistia

Reclusas no Kwanza Sul denunciam que são obrigadas a fazer sexo em troca da amni…

Após a divulgação de imagens que mostram a falta de água e de alimentação em vár...

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheiro

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheir…

José Eduardo dos Santos é destes amigos improváveis arranjados pela diplomacia b...

PAGINAS PRINCIPAIS

ENTRETENIMENTO

  • Shows
  • Música

DESPORTO

  • Girabola 2016                         
  • Outros Esportes

SOBRE NÓS

  • Grupo Media VOX POPULI

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Instagram

RÁDIOS & TV

Radio AO24 Online

Em Breve