Menu

Início do julgamento de Manuel Vicente arrasta-se há três meses

Início do julgamento de Manuel Vicente arrasta-se há três meses

O despacho de pronúncia que confirmou a acusação da Operação Fizz foi proferido em junho, mas ainda não há data para o arranque do julgamento em que Manuel Vicente, vice-presidente de Angola até às eleições do mês passado, está acusado de corrupção

O caso já leva três meses de atraso porque Ministério Público insiste em que Paulo Blanco, representante legal do Estado angolano em Portugal e acusado de corrupção em coautoria com Manuel Vicente, vice-presidente de Angola, tenha a sua atividade de advogado suspensa. Blanco voltou a ser interrogado esta segunda-feira por causa disso

Depois de ter sido cancelada uma audiência que chegou a estar prevista para 22 de agosto, a juíza de instrução criminal Ana Cristina Carvalho interrogou esta segunda-feira de manhã Paulo Blanco, advogado do Estado angolano que chegou a representar legalmente Manuel Vicente, antigo CEO da petrolífera Sonangol e vice-presidente de Angola. Blanco acabou por ser acusado de corrupção, branqueamento de capitais e falsificação de documento por ter sido considerado cúmplice do número dois do governo de José Eduardo dos Santos no alegado pagamento de subornos a um procurador do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) para que este encerrasse um inquérito em curso.

A 21 de junho, faz esta semana três meses, a mesma juíza de instrução já tinha decidido que Manuel Vicente, Paulo Blanco e o procurador alegadamente corrompido, Orlando Figueira, a par de mais outro arguido, Armindo Pires, vão a julgamento, mas até agora ainda não há data marcada para esse julgamento começar.

Manuel Vicente foi acusado pelo Ministério Público português de corromper o antigo procurador Orlando Figueira com EUR 760 mil para que este arquivasse dois processos em que o vice-presidente de Angola estava a ser investigado.

Angola recusou-se a cumprir a carta rogatória enviada em fevereiro pela Procuradoria-Geral da República (PGR) portuguesa a solicitar a assistência da sua congénere angolana na constituição de arguido de Manuel Vicente e na sua notificação da acusação de corrupção e branqueamento de capitais emitida pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) contra o ainda vice-presidente de Angola.

A resposta das autoridades judiciárias angolanas tem a data de 30 de junho mas apenas terá chegado aos autos do processo que visa o ainda n.º 2 do Governo de José Eduardo dos Santos.

Expresso.

Modificado emterça, 19 setembro 2017 00:10

Mídia

voltar ao topo
Medo do MPLA: Oposição obteve maioria na Assembleia Nacional

Medo do MPLA: Oposição obteve maioria na Assembleia Nacional

O pleito eleitoral de 23 de Agosto 2017 acabou na lógica de “tudo muda sem nada ...

CNE proclama MPLA vencedor das eleições gerais 2017

CNE proclama MPLA vencedor das eleições gerais 2017

A Comissão Nacional Eleitoral (CNE) de Angola proclamou, hoje, oficialmente, o M...

Reclusas no Kwanza Sul denunciam que são obrigadas a fazer sexo em troca da amnistia

Reclusas no Kwanza Sul denunciam que são obrigadas a fazer sexo em troca da amni…

Após a divulgação de imagens que mostram a falta de água e de alimentação em vár...

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheiro

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheir…

José Eduardo dos Santos é destes amigos improváveis arranjados pela diplomacia b...

PAGINAS PRINCIPAIS

ENTRETENIMENTO

  • Shows
  • Música

DESPORTO

  • Girabola 2016                         
  • Outros Esportes

SOBRE NÓS

  • Grupo Media VOX POPULI

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Instagram

RÁDIOS & TV

Radio AO24 Online

Em Breve