Menu

UNITA convoca manifestações contra violações à lei nas eleições em Angola

UNITA convoca manifestações contra violações à lei nas eleições em Angola

A UNITA, maior partido da oposição angolana, convocou hoje uma manifestação em todo o país "a partir da próxima semana" para exigir a correção de "violações à lei" na preparação das eleições gerais convocadas de agosto.

Uma nota da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) a que a agência Lusa teve acesso refere que a decisão - que não indica datas concretas para a manifestação - de convocar o protesto foi tomada hoje, em reunião extraordinária do comité permanente da comissão política do partido.

A Lusa contactou o porta-voz da UNITA, Alcides Sakala, que indicou que hoje foi tomada a "decisão política" de promover "um conjunto de manifestações" em todo o país, tendo em conta as preocupações com o estado atual do processo eleitoral, fazendo para o efeito uso de um "direito constitucional".

"Iremos dar mais pormenores do que se vai passar numa conferência de imprensa a realizar na segunda-feira", disse Alcides Sakala.

A reunião de hoje do comité permanente da UNITA foi convocada para analisar o processo de preparação das eleições gerais, tendo constatado "com bastante preocupação", diz o partido liderado por Isaías Samakuva, "que a Comissão Nacional Eleitoral (CNE) insiste em perseguir uma postura que agride a paz e a democracia, colocando em perigo a lisura e a transparência do processo eleitoral".

O partido do 'galo negro' acusa a CNE de ter feito "tábua rasa" aos sucessivos pedidos para auditar o Ficheiro Informático dos Cidadãos Maiores, que contém os dados de todos os cidadãos em condições de votar a 23 de agosto, e de ter efetuado um "processo pouco transparente" de seleção de empresas e elaborado um caderno de encargos que não estará em "conformidade com a lei" relativamente à contratação do sistema de apuramento e transmissão dos resultados eleitorais.

"A CNE decidiu ignorar os apelos feitos pelos líderes das forças políticas concorrentes e prosseguir com a contratação de serviços de apoio às eleições, em violação à lei dos contratos públicos", refere o comité permanente, acrescentando que este cenário inviabiliza a realização de eleições livres, justas e transparentes.

Os partidos políticos da oposição angolana com assento parlamentar denunciaram quarta-feira uma suposta "ilegalidade" da CNE, por alegadamente pretender adjudicar serviços a duas empresas para as eleições gerais, fora dos prazos legais para apresentação das propostas.

Numa declaração conjunta, assinada pelos líderes da UNITA, Isaías Samakuva, da CASA-CE, Abel Chivukuvuku, do PRS, Eduardo Kuangana, e da FNLA, Lucas Nogonda, aqueles partidos referem que "continuam bastante preocupados com a falta de lisura e transparência da CNE nos atos relativos à contratação de empresas para as eleições".

Em causa está a escolha das empresas portuguesa, SINFIC, e espanhola, INDRA, que "participaram nas fraudes de 2008 e 2012", de acordo com os partidos, para assessoria tecnológica das eleições gerais de 23 de agosto deste ano.

Segundo aqueles partidos, na sequência de uma denúncia pública que fizeram, também em conjunto, a 06 de maio, e de uma reunião aberta realizada dois dias depois, "ficou provado" que o caderno de encargos para o fornecimento de uma solução tecnológica para a transmissão dos resultados eleitorais "não estava em conformidade com a lei".

"Ficou também provado que o anúncio feito no dia 05 pela CNE, através da sua porta-voz e do seu portal da Internet, de que a CNE escolheu as empresas INDRA e SINFIC, foi feito à revelia da Lei e antes mesmo do seu plenário ter apreciado qualquer relatório ou recomendações sobre o assunto", sublinham os quatro partidos, na declaração.

Salientam que na mesma reunião "ficou claro" que o prazo de seis dias úteis que a CNE concedeu para as entidades convidadas apresentarem propostas competitivas "num negócio de 200 milhões de dólares", a coberto do procedimento da contratação simplificada, "foi uma prática restritiva da concorrência, que visou impedir ou restringir a concorrência".

LUSA

 

Mídia

voltar ao topo
Medo do MPLA: Oposição obteve maioria na Assembleia Nacional

Medo do MPLA: Oposição obteve maioria na Assembleia Nacional

O pleito eleitoral de 23 de Agosto 2017 acabou na lógica de “tudo muda sem nada ...

CNE proclama MPLA vencedor das eleições gerais 2017

CNE proclama MPLA vencedor das eleições gerais 2017

A Comissão Nacional Eleitoral (CNE) de Angola proclamou, hoje, oficialmente, o M...

Reclusas no Kwanza Sul denunciam que são obrigadas a fazer sexo em troca da amnistia

Reclusas no Kwanza Sul denunciam que são obrigadas a fazer sexo em troca da amni…

Após a divulgação de imagens que mostram a falta de água e de alimentação em vár...

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheiro

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheir…

José Eduardo dos Santos é destes amigos improváveis arranjados pela diplomacia b...

PAGINAS PRINCIPAIS

ENTRETENIMENTO

  • Shows
  • Música

DESPORTO

  • Girabola 2016                         
  • Outros Esportes

SOBRE NÓS

  • Grupo Media VOX POPULI

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Instagram

RÁDIOS & TV

Radio AO24 Online

Em Breve