Menu
RSS

General do MPLA, mais conhecido por Kopelipa tem meio bilhão de dólares em Portugal

General do MPLA, mais conhecido por Kopelipa tem meio bilhão de dólares em Portugal

O Ministério Público está a investigar o general do MPLA, Manuel Hélder Vieira Dias “Kopelipa”, ex-ministro de Estado e ex-chefe da Casa de Segurança da Presidência da República de Angola, por suspeita de branqueamento de 495 milhões de dólares, o equivalente a cerca de 402 milhões de euros.

O dinheiro deu entrada em Portugal nas contas pessoais do general Kopelipa, como também é conhecido, e em contas de sociedades offshore, para as quais tinha autorização de movimentação, entre setembro de 2006 e fevereiro de 2013.

Os documentos do processo 208/13, a que o Correio da Manhã teve acesso, revelam que as verbas deram entrada nas contas pessoais do general angolano e das sociedades offshore, muitas delas com sede nas Ilhas Virgens Britânicas, através de cerca de 160 operações financeiras em euros e dólares. Dos 402 milhões de euros (verba que inclui a conversão de dólares em euros ao câmbio actual) sob suspeita, 304,4 milhões de euros entraram nas contas das sociedades offshores no BES e no BCP e 97,7 milhões de euros foram creditados nas contas pessoais do general Kopelipa no BCP, no Banco Privado Atlântico -Europa, no BES e no BIG.

A investigação ao general angolano chegou a ser arquivada pelo então procurador do processo, Paulo Gonçalves, em agosto de 2014. Na altura, o magistrado concluiu, após analisar os suportes bancários das operações financeiras que Kopelipa juntara ao processo, que o dinheiro movimentado estava explicado e tinha origem lícita. Só que, no mês seguinte, o director do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), Amadeu Guerra, reabriu o inquérito, através de despacho hierárquico. Para Amadeu Guerra, algumas das operações financeiras não tinham sido justificadas.

Os peritos do DCIAP analisaram, já no final desse ano, os documentos e esclarecimentos do general angolano e concluíram não ser possível identificar a origem inicial do dinheiro. Por isso, foram pedidos documentos adicionais aos bancos.

Defesa de Kopelipa diz que dinheiro foi usado para compras

Paulo Blanco, advogado do general Kopelipa, diz que “a maioria dos referidos 400 milhões de euros, movimentados entre 2006 e 2013, se destinaram, como decorre da documentação apresentada e dos actos comerciais subjacentes, a pagar mercadorias, equipamentos e serviços a fornecedores no exterior de Angola, designadamente em Portugal”.

O general Manuel Hélder Vieira Dias “Kopelipa” afirma, no requerimento em que apresentou a justificação das operações bancárias, que não cometeu crimes. Diz que o dinheiro é de poupanças e investimentos.

Queixas de Adriano Parreira e de Rafael Marques

A investigação ao general Kopelipa, no âmbito do processo 208/13, resultou de uma certidão extraída do inquérito 142/12, no qual são também investigados cidadãos angolanos. Os casos tiveram origem em queixas apresentadas por Adriano Parreira e Rafael Marques, ambos cidadãos angolanos.

Manuel Hélder Vieira Dias “Kopelipa” foi, durante a presidência de José Eduardo dos Santos, um dos homens com mais poder em Angola: foi ministro de Estado e Chefe da Casa de Segurança do Presidente da República. Em Portugal tem investimentos nas seguintes empresas: Colinas do Douro -Imobiliária, WWC – Wide Services Unipessoal e BIG. 

Assalto ao Castelo: Transferências de 300 milhões do general Kopelipa assustou o MPLA

A denúncia de que o general Kopelipa terá desviado 300 milhões de dólares para o Dubai alarmou o MPLA em 2017. Ricardo Salgado já tinha denunciado o envolvimento de figuras do regime no caso BESA.

A denúncia de que o general Hélder Vieira Dias ‘Kopelipa’ terá transferido cerca de 300 milhões de dólares do Banco Espírito Santo Angola (BESA) para contas bancárias do Espírito Santo Bankers Dubai está a alarmou e a causou mal-estar na cúpula do ex regime de José Eduardo dos Santos, avançou o Expresso num artigo publicado em 2017. O próprio Ricardo Salgado, ex-líder do BES, já tinha avançado ao Ministério Público a hipótese de altas figuras do MPLA terem contribuído para o buraco de mais de 5,7 mil milhões de dólares que foi detetado no BESA, tal como o Observador noticiou.

As transferências alegadamente realizadas pelo general Kopelipa, chefe da Casa Militar do ex. Presidente José Eduardo dos Santos, foram denunciadas na reportagem da SIC “Assalto ao Castelo”.

“Os políticos têm de passar a ter mais cuidado para não se molharem à chuva. Têm de deixar de misturar política com negócios”, disse ao Expresso Mário Pinto de Andrade, membro do Comité Central do MPLA.

Ao mesmo jornal, Amável Fernandes, antigo comissário político das FAPLA, o braço armado do MPLA entre 1974 e 1991, também falou em termos críticos. “Quando não se honram compromissos com os bancos ou se desvia dinheiro de forma massiva, como tem sido feito no nosso país, estamos perante um sério caso de psiquiatria, que remete Angola no estrangeiro para a condição de indígena”, disse ao Expresso.

No âmbito da Operação Marquês, Ricardo Salgado sugeriu que Álvaro Sobrinho tinha tido cúmplices. Sobre o empresário angolano, disse que ele “devia ter ido logo para a cadeia” e que “devia ter sido preso em Angola”. Porém, “ninguém lhe tocou”. “Portanto, eu só posso concluir que houve mais pessoas em Angola que beneficiaram com o prejuízo do BESA”, concluiu. CM/ AO24/ Expresso

Last modified onSábado, 03 Março 2018 16:45
..
..
back to top

Recomendamos