Angola 24 Horas - Jornalistas angolanos discutem código de ética ansiando pela carteira profissional
Menu
RSS

Jornalistas angolanos discutem código de ética ansiando pela carteira profissional

Jornalistas angolanos discutem código de ética ansiando pela carteira profissional

Jornalistas angolanos ainda exercem a atividade sem carteira profissional, situação que associações e sindicatos do setor querem ver ultrapassada "com urgência", inicialmente, com a aprovação do Código de Ética e Deontologia, cuja consulta pública decorre, foi hoje anunciado.

A situação foi relatada hoje à agência Lusa pelo secretário-geral do Sindicato dos Jornalistas Angolanos (SJA), Teixeira Cândido, referindo que Angola é dos poucos países, na África Austral, com jornalistas sem uma carteira profissional, afirmando que o Código de Ética deve dar lugar à Comissão de Carteira e Ética.

"Estamos a aprovar o Código de Ética e Deontologia como primeiro passo para constituir a Comissão de Carteira e Ética, as associações estão empenhadas, assim como a entidade reguladora e estamos a contribuir para formulação de um Código", disse.

O representante do sindicato disse esperar que seja "o mais consensual possível".

A consulta pública da proposta do Código de Ética e Deontologia dos Jornalistas angolanos começou na sexta-feira passada e decorre até à próxima sexta-feira.

Teixeira Cândido recorda que a carteira profissional dos jornalistas foi prevista pela primeira vez em Angola em 1997, revogada posteriormente em 2006, mas adiantou, a Lei de Imprensa, aprovada em 2017, já atribui competências à classe de convocar uma assembleia para eleger a Comissão de Carteira e Ética.

"A entidade reguladora tem todo interesse que nós constituamos a Comissão de Carteira e Ética e então o primeiro passo é termos duas assembleias, uma que aprova o Código e a outra que elege a Comissão da Carteira e Ética", explicou.

A Comissão da Carteira e Ética, realçou, deve trabalhar em primeira instância com o Código de Ética e Deontologia e depois com as restantes leis.

"Não podemos ter uma Comissão de Carteira sem o Código de Ética e Deontologia e então este é o primeiro passo", comentou.

A Comissão de Carteira e Ética profissional, segundo o dirigente sindical, terá entre outras competências a atribuição da carteira profissional aos profissionais, um pressuposto, observou, que deve concorrer para o fim do "desrespeito absoluto" da ética e deontologia que ainda se regista no exercício da atividade.

"Há um desrespeito absoluto, muito poucos jornalistas obedecem a isso", disse, apontando o exemplo da "questão das incompatibilidades".

"Essa questão, por exemplo, está lá e não precisávamos ter a Comissão de Carteira e Ética para obrigar as pessoas a respeitar as incompatibilidades mas ninguém as faz", referiu.

O representante do sindicato ainda sublinhou que, em relação à abordagem jornalística, os profissionais "não estão preocupados com o contraditório, não estão preocupados em apurar as informações, não estão preocupados com a verdade da informação".

"Queremos pegar, às vezes, informações das redes sociais e divulgá-las, sem o devido tratamento", lamentou.

"Portanto, há um desrespeito que descredibiliza toda a profissão, razão pela qual temos toda a preocupação para aprovarmos nos próximos dias a Comissão de Carteira e Ética", concluiu.

O novo pacote legislativo da comunicação social angolana foi aprovado em 2017 pelo parlamento angolano, e nele constam a lei de imprensa, o estatuto do jornalista, a lei do estatuto orgânico da entidade reguladora da comunicação, a lei de televisão e da lei da radio e difusão.

Last modified onQuarta, 15 Agosto 2018 10:54
.
..
.
.
back to top

Recomendamos