Angola 24 Horas - Sindicato denúncia pressões no recrutamento de 20.000 professores em Angola
Menu
RSS

Sindicato denúncia pressões no recrutamento de 20.000 professores em Angola

Sindicato denúncia pressões no recrutamento de 20.000 professores em Angola

O Sindicato dos Professores Angolanos (Sinprof) denunciou hoje alegadas pressões dos governos provinciais no processo de recrutamento de 20.000 docentes, que decorreu terça-feira, em todo o país, com o objectivo de "acomodar pessoas sem qualificação para docência".

A situação foi relatada hoje à Lusa pelo presidente do Sinprof, Guilherme Silva, que apesar de apontar "algumas melhorias" em comparação com os concursos anteriores, apela aos governos provinciais para "não se arrogarem em enviar cartões e papelinhos ao corpo de júri".

"Estamos a sentir, em algumas províncias, interferências dos governos provinciais e apelamos a esses governos que não pressionem os corpos de júri. Deixem-nos trabalhar de forma autónoma e no final que de facto sejam apurados dos melhores e capazes de corresponder para o exercer o magistério", disse.

Adiantou que a pressão que afirma existir "é no sentido de acomodar algumas pessoas que não têm a qualificação para docência", e assim "tentando inserir indivíduos para a categoria de professores auxiliares, que não existe".

O concurso público no setor da Educação em Angola para o recrutamento de mais 20.000 professores para todo o país decorreu, terça-feira, com cerca de 140.000 candidatos, ocasião em que a ministra do setor, Maria Cândida Teixeira, anunciou que a partir de 2019 o recrutamento para novos docentes "será anual".

Em Luanda, surgiram reclamações por parte de alguns candidatos, sobretudo em relação ao "início tardio das avaliações" e ainda "insuficiência de enunciados" para o efeito. 

Guilherme Silva, refere porém, que o Sinprof está atento ao evoluir deste processo, cujos resultados devem ser divulgados na sexta-feira.

Ainda assim observou que em anos anteriores os concursos eram "eivados de vícios em compadrios, nepotismo, cabritismos e ?envios de listas'".

De visita à província angolana do Cuando-Cubango, para a abertura formal do processo de recrutamento de novos docentes para o ensino geral, esta semana, a ministra apelou ao júri para ter "lisura e transparência", no sentido de "aprovarem apenas os melhores candidatos".

Last modified onQuinta, 12 Julho 2018 11:13
.
..
.
.
back to top

Recomendamos