Angola 24 Horas - Trabalhadores da empresa de pontes há 54 meses sem salários são suspensos
Menu
RSS

Trabalhadores da empresa de pontes há 54 meses sem salários são suspensos

Trabalhadores da empresa  de pontes há 54 meses sem salários são suspensos

A direção da Empresa Nacional de Pontes de Angola, que não paga salários há 54 meses, suspendeu 82 trabalhadores, mais de 70 em idade de reforma, e toda a comissão sindical, denunciou hoje o sindicato.

A informação foi transmitida hoje pelo primeiro secretário da comissão sindical daquela empresa pública, Mateus Alberto Muanza, que considerou "inaceitável, desumana e ilegal" a medida da direção da empresa, porque deveriam antes ser liquidados os salários em atraso.

"São no total 82 trabalhadores e nós não admitimos e nem aceitamos esse tipo de suspensão. A empresa como deve aos trabalhadores e o que está em causa são os 54 meses de salários por pagar, não é normal que a direção da empresa tome essa medida sem antes pagar os salários", disse.

Segundo o sindicalista, a decisão foi anunciada pelo diretor-geral da empresa, durante uma reunião que teve lugar segunda-feira, na qual a direção informou que a "suspensão será temporária", por um período de seis meses, não acreditando os trabalhadores nesse argumento.

Para o sindicalista, a empresa "deveria falar em despedimentos e indemnizações e não suspender os trabalhadores, que é contra os princípios legais e até desumano, sem o respetivo salário e o pagamento de outros direitos", observou.

"É um caso inédito no país e não acreditamos que a suspensão seja mesmo temporária. Fala-se de uma parceria chinesa e logo que a mesma chegar, ao mesmo tempo vai trabalhar com a direção da empresa, mas não acreditamos, porque essa tal parceria poderá trazer a sua mão-de-obra", acrescentou.

Mateus Alberto Muanza, que também consta da lista dos trabalhadores suspensos, manifestou-se ainda "indignado" com a medida que abrange igualmente os seus colegas em idade de reforma, doentes, denunciando o facto caricato de a empresa ter suspendido "uma funcionária já falecida".

"E ainda resolvem suspender colegas que se encontram doentes. Como isso é possível? Quer dizer, a direção da empresa vai matar os trabalhadores. E ainda lamentamos ver nessa lista o nome de uma colega que já é falecida. Isso é muito triste", lamentou.

Anunciou que esta medida não será aceite pelos trabalhadores, que já reuniram e decidiram não cumprir a mesma sem que a direção da empresa pague os salários em atraso.

"Independentemente dessa suspensão, já marcamos uma marcha de protesto contra o Governo, que deve acontecer no dia 26 deste mês", salientou.

Em abril, a direção da empresa pública de pontes informou que estava em curso um processo de suspensão temporária de cerca de 160 trabalhadores, justificando que a medida tinha como objetivo "potenciar a empresa", processo que terá já iniciado noutras filiais da firma no interior do país.

"No geral poderemos suspender temporariamente cerca de 160 trabalhadores, em Luanda somos 170 e podemos suspender, numa primeira fase, 88 trabalhadores. Apelamos aos trabalhadores que tenham mais paciência, sejam mais comedidos, que a situação há de passar", disse anteriormente o diretor-geral da empresa, José Henriques.

O responsável afirmou igualmente, naquela ocasião, que a medida se enquadra "numa futura parceria que a empresa de pontes vai estabelecer com um consórcio nacional, para potenciar a empresa e poder deste modo pagar os atrasados".

Last modified onQuarta, 16 Maio 2018 23:31
.
..
.
.
back to top

Recomendamos