Menu

Oposição questiona independência do processo eleitoral após decisão do TC

Oposição questiona independência do processo eleitoral após decisão do TC

A Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE), segunda força da oposição, questionou hoje a independência com que o registo eleitoral vai ser conduzido, depois de o Tribunal Constitucional ter considerado ser responsabilidade do Governo.

A posição foi assumida hoje, em conferência de imprensa, em Luanda, pelo líder do grupo parlamentar da CASA-CE, André Mendes de Carvalho, depois de conhecido o acórdão do tribunal ao recurso apresentado pelos partidos da oposição, que queriam ver o processo de registo eleitoral conduzido pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE), "como órgão independente".

"O que me deixa triste é saber que o Tribunal Constitucional atribui a realização do registo eleitoral ao Ministério da Administração do Território. Vamos respeitar aquilo que o Tribunal Constitucional diz, mas temos de admitir que há vários vícios no processo", lamentou o deputado.

"O Ministério da Administração do Território é um órgão do Estado. Onde está a independência desse órgão", questiona o deputado.

O Ministério da Administração do Território é liderado por Bornito de Sousa, nome aprovado pelo Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), em reunião do comité central realizada a 2 de Dezembro, como candidato a vice-Presidente da República nas eleições previstas gerais deste ano.

No acórdão n.º 412/2016, de 6 de Dezembro, o Tribunal Constitucional indeferiu o recurso de inconstitucionalidade de algumas normas da lei que regulamenta o Registo Eleitoral Oficioso, apresentado pelos grupos parlamentares da UNITA, CASA-CE, PRS e FNLA.

Aquele tribunal entendeu que "não assiste razão aos Requerentes" porque as normas em causa não violam a Constituição da República de Angola e porque "não estabelece qualquer transferência inconstitucional de competências da Comissão Nacional Eleitoral para os órgãos da Administração Central e Local do Estado".

"Nem tão pouco consagra normas passíveis de constituir violação aos direitos, liberdades e garantias fundamentais dos cidadãos previstos na Constituição da República angolana", lê-se na parte conclusiva do acórdão.

No entanto, uma das juízas do plenário do Tribunal Constitucional, Maria Imaculada de Melo, deu o seu voto vencido, por entender que algumas destas normas em apreciação "são inconstitucionais".

A segunda fase de actualização do processo eleitoral, tendo em vista as eleições previstas para Agosto de 2017, arrancou a 5 de Janeiro.

Na primeira fase, que começou em Agosto, foram registados mais de seis milhões de cidadãos.

Lusa

 

Mídia

voltar ao topo
Votar em consciência sem esquecer promessas de 2012

Votar em consciência sem esquecer promessas de 2012

O cidadão angolano, no dia 23 de Agosto de 2017, vai lançar âncora ao estipulado...

Estratégias de manipulação das massas

Estratégias de manipulação das massas

As opiniões que você tanto defende e argumenta são realmente suas? Não é de hoje...

Banco Barclays recusa fortunas dos governantes e altas patentes do regime angolano

Banco Barclays recusa fortunas dos governantes e altas patentes do regime angola…

O Barclays está a fechar as portas às fortunas dos angolanos. Depois do fim do v...

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheiro

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheir…

José Eduardo dos Santos é destes amigos improváveis arranjados pela diplomacia b...

PAGINAS PRINCIPAIS

ENTRETENIMENTO

  • Shows
  • Música

DESPORTO

  • Girabola 2016                         
  • Outros Esportes

SOBRE NÓS

  • Grupo Media VOX POPULI

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Instagram

RÁDIOS & TV

Radio AO24 Online

Em Breve