Angola 24 Horas - UNITA acusa Governo de ter plagiado lei para repatriamento coercivo de bens
Menu
RSS

UNITA acusa Governo de ter plagiado lei para repatriamento coercivo de bens

UNITA acusa Governo  de ter plagiado lei para repatriamento coercivo de bens

Os deputados à Assembleia Nacional aprovaram hoje na generalidade a Proposta de Lei do Repatriamento Coercivo e Perda Alargada de Bens com 124 votos a favor, nenhum voto contra e com a abstenção da bancada parlamentar da UNITA.

O chefe do grupo parlamentar da UNITA, Adalberto da Costa Júnior, reagindo à aprovação da Proposta de Lei do Repatriamento Coercivo e Perda Alargada de Bens, disse que a mesma tem paternidade do seu partido.

"A iniciativa, hoje em discussão, contém aspectos propostos no Regimento Extraordinário de Regulação Patrimonial (RERP) de iniciativa da UNITA e recusados pelo partido no poder", acrescentou o deputado.

Adalberto da Costa Júnior referia-se à proposta que o seu partido tinha apresentado na altura em que foi aprovada a Lei de Repatriamento de Recursos Financeiros Domiciliados no Exterior do País, em vigor, que fora aprovada na generalidade mas viu a maioria do MPLA recusá-la na especialidade, considerando que já então a UNITA propunha aquilo que está contido na Lei do Repatriamento Coercivo e Perda Alargada de Bens, aprovada hoje na generalidade.

"O Governo, consciente da impopularidade da Lei 09/18, do repatriamento de capitais que o MPLA aprovou, consciente de continuar a encaixar danos políticos, pela aprovação da Lei, foi copiar parte da proposta da UNITA e nem sequer teve a hombridade de reconhecer a paternidade", acusou.

Adalberto da Costa Júnior criticou que, para o actual Governo e para a maioria que o suporta, "só serve ao País o que é produto da sua criação e as iniciativas de outrem são para ser contrariadas", disse, deixando saliente que a legislação hoje discutida e aprovada na generalidade pelo Parlamento já estava prevista na proposta Lei da UNITA recusada há meses.

Entretanto, o chefe do grupo parlamentar da CASA-CE, André Mendes de Carvalho, lamentou não haver até ao momento, sinais sobre o sucesso ou insucesso da lei do Repatriamento de Capitais que está em vigor desde Junho, quando foi publicada em Diário da República.

"O período de graça que o Governo deu para que todos os angolanos repatriem capitais do estrangeiro para Angola está quase no fim, faltando apenas um mês e não há informações pormenorizadas sobre o caso. Como é que ficam as coisas?", interrogou-se.

A preocupação do líder parlamentar da CASA-CE também foi sublinhada pelo presidente do PRS, Benedito Daniel, que perguntou aos membros do Executivo presentes se já houve um voluntário que tenha repatriado o seu capital.

"O Executivo levou ao parlamento uma Proposta de Lei do Repatriamento Coercivo e Perda Alargada de Bens. A Lei sobre o Repatriamento de Capitais, até aqui não tem pernas para andar", lamentou, exortando os milionários a colaborarem para o regresso de dinheiro, tendo em vista a criação de empregos.

O líder da bancada parlamentar do MPLA, Américo Cunonoca, saudou a iniciativa do Chefe do Executivo por ter submetido à Assembleia Nacional esta proposta de lei.

"O MPLA vai continuar a apoiar os esforços do Governo para corrigir o que está mal e melhorar o que está bem. Não precisamos de plagiar nada", defendeu, numa clara resposta ao líder do Grupo Parlamentar da UNITA, que acusou o MPLA e o Executivo de terem perfilhado uma ideia que tem o "Galo Negro" como pai.

Na apresentação do documento, o ministro da Justiça e Direitos Humanos, Francisco Queirós, informou que a proposta de lei sobre o Repatriamento Coercivo e Perda Alargada de Bens, tem como objectivo dotar o ordenamento jurídico angolano de normas e mecanismos legais que permitam a materialização do repatriamento coercivo, dando maior ênfase à perda alargada de bens a favor do Estado.

A proposta foi aprovada a 26 de Outubro último pelo Conselho de Ministros, foi aprovada hoje na generalidade e a partir de quinta-feira passará à discussão na especialidade, estando previsto a sua centrada em vigor em Janeiro de 2019, enquadrando-se na Lei sobre o Repatriamento de Capitais, aprovada e publicada no Diário da República a 26 de Junho passado. NJ

.
..
.
.
back to top

Recomendamos