Angola 24 Horas - Parlamento angolano sem pedidos de investigação de deputados pela justiça
Menu
RSS

Parlamento angolano sem pedidos de investigação de deputados pela justiça

Parlamento angolano sem pedidos de investigação de deputados pela justiça

O Parlamento não recebeu nenhum pedido da Justiça para a suspensão e retirada de imunidades a deputados, informou o presidente da Comissão dos Assuntos Constitucionais e Jurídicos da Assembleia Nacional.

Reis Júnior, que falava à imprensa a propósito de informações que dão conta da investigação de vários parlamentares, alegadamente envolvidos em actos de corrupção, adiantou que, caso os tribunais solicitem, a Assembleia Nacional vai agir de  acordo com a lei.

“Neste momento, a primeira Comissão não tem informação oficial relativamente ao levantamento de imunidades de deputados . Caso surja, a primeira Comissão vai tratar de acordo com a lei”, disse, explicando que  a  retirada de imunidade ou mandato de um deputado depende de várias razões e citou como exemplo, os actos de corrupção. “Se for por corrupção, o deputado terá que estar pronunciado (acto do juiz que confirma a acusação do Ministério Público) e o juiz pede a suspensão do mandato e depois de suspenso ele pode ser julgado”, sublinhou.

A Constituição da República, no artigo 150º, estabelece que “os deputados não podem ser detidos ou presos sem autorização a conceder pela Assembleia Nacional ou, fora do período normal de funcionamento desta, pela Comissão Permanente, excepto em flagrante delito por crime doloso punível com pena de prisão superior a dois anos”.

O mesmo artigo estabelece ainda que “após instauração de processo criminal contra um deputado e uma vez acusado por despacho ou pronúncia ou equivalente, salvo em flagrante delito por crime doloso punível com pena de prisão superior a dois anos, o Plenário da Assembleia Nacional deve deliberar sobre a suspensão do deputado e retirada de imunidades, para efeitos de prosseguimento do processo”.

A Procuradoria Geral da República anunciou recentemente estar em curso um processo-crime que indicia o ex-governador João Marcelino Tyipinge (agora deputado) no desvio  de mais de 200 milhões de kwanzas, destinados à compra de laboratórios para as escolas públicas. A informação foi avançada pelo subprocurador-geral da República titular da província da Huíla, Hernâni Beira Grande.

Em Agosto a PGR confirmou também que está em curso um processo de inquérito contra o deputado do grupo parlamentar do MPLA Manuel Rabelais (antigo ministro da Comunicação Social). O inquérito, de acordo com a PGR, vem de há alguns meses de averiguações e “está concluído e o que ficou apurado ainda constitui segredo de Justiça”.

Não há perseguições

Reagindo aos comentários segundo os quais a cruzada da Justiça contra a corrupção visa a perseguir os familiares directos do ex-Presidente da República, José Eduardo dos Santos, o deputado Ro-berto de Almeida disse que o combate à corrupção não visa perseguir pessoas. 

“Augusto Tomás não é parente de José Eduardo (dos Santos), então não são só parentes ou colaboradores an-teriores e directos do Presidente José Eduardo dos Santos que estão a ser arrolados neste trabalho. Se queremos corrigir o que está mal temos que aceitar o que está a ser feito”, defendeu o parlamentar. 

Roberto de Almeida afirmou que apoia a acção do Executivo que visa o combate à corrupção . “Faço parte do partido que governa o país e aprovei as leis que neste momento estão a reger toda essa acção. Portanto, estou de acordo com essas medidas do Executivo de  combate  à corrupção”, ressaltou.

O ex-vice presidente do MPLA lembrou que o lema do Executivo é “melhorar o que está bem e corrigir o que está mal”. “Se estamos de acordo com este lema, então temos que apoiar a acção do partido nesse sentido”, defendeu o parlamentar do MPLA. 

Quanto aos actos de vandalismo que estão a ocorrer no país, o deputado suspeita da existência de esforços internos de algumas pessoas, e até de organizações, que  pretendem impedir que o país se desenvolva.

 “Só assim se pode entender  que num momento em que o Executivo está a fazer esforços para introduzir melhorias que se traduzam no bem-estar da população, ao mesmo tempo há uma onda de vandalização que tem objectivos claros: não deixar que o Executivo desenvolva acções que redundem em benefício desse Executivo”, afirmou Roberto de Almeida.

.
..
.
.
back to top

Recomendamos