Menu
RSS

Antigo gestor do FSDEA garante que o dinheiro de Angola está em contas já auditadas

Antigo gestor do FSDEA garante que o dinheiro de Angola está em contas já auditadas

O empresário suíço-angolano, Jean-Claude Bastos de Morais, considera injustificada a decisão das autoridades das Maurícias, de congelar contas bancárias e suspender licenças da Quantum Global, firma através da qual geria 85% dos activos do Fundo Soberano de Angola (FSDEA).

O gestor demarca-se ainda das suspeitas de apropriação indevida de dinheiros públicos angolanos, garantindo que os milhões do FSDEA que tinha sob sua responsabilidade estão em contas já auditadas.

 Ainda à espera dos esclarecimentos das autoridades mauricianas, sobre o congelamento de contas bancárias e suspensão de licenças de investimento da Quantum Global nas Maurícias - firma que fundou e preside -, Jean-Claude Bastos de Morais garante que está a ser vítima de "alegações falsas e prejudiciais".

Em causa, aponta o empresário, estão suspeitas de que a sua ligação ao Fundo Soberano de Angola, recentemente cancelada, foi danosa, ideia que descarta.

"A verdade é que todo o dinheiro pertencente ao Governo angolano está contabilizado em contas publicamente divulgadas, que por vários anos foram alvo de auditorias independentes", diz o gestor, citado num comunicado da Quantum Global, divulgado na sexta-feira, 20.

Segundo a mensagem, disponível online, a empresa que geria 3 mil milhões de dólares do FSDEA já começou a ser ouvida pelas autoridades mauricianas, no sentido de contestar as penalizações que lhe foram aplicadas.

A próxima audição está marcada para a próxima quarta-feira, 25, adianta a Quantum, alertando para o impacto negativo de todo o processo para os negócios e não só.

"Milhares de famílias africanas estão a sofrer como resultado dessas acções injustificadas das autoridades mauricianas", lamenta Bastos de Morais, reforçando que a disputa não afecta apenas banqueiros e advogados.

O empresário assegura ainda que a Quantum Global cumpriu com sucesso as suas obrigações em nome do FSDEA, desempenho que "permitiu aumentar em valor o portfólio do Fundo", valor esse que a empresa "está a tentar proteger" ao exigir uma audiência justa, que lhe permita limpar o nome. NJ

Last modified onDomingo, 22 Abril 2018 11:06
..
..
back to top

Recomendamos