Angola 24 Horas - Ex-Presidente do Zimbabué Robert Mugabe já não anda devido a saúde frágil
Menu
RSS

Ex-Presidente do Zimbabué Robert Mugabe já não anda devido a saúde frágil

Ex-Presidente do Zimbabué Robert Mugabe já não anda devido a saúde frágil

O antigo Presidente do Zimbabué Robert Mugabe, 94 anos, está a receber assistência médica em Singapura, por já não conseguir andar sozinho devido à sua frágil saúde e avançada idade, anunciou hoje o atual chefe de Estado, Emmerson Mnangagwa.

"Mugabe é agora ancião. Como tal, é incapaz de andar, mas vamos dar-lhe tudo o que ele pedir", afirmou Mnangagwa, num cerimónia governamental da União Nacional Africana do Zimbabué-Frente Patriótica (ZANU-PF) em Zvima, onde o antigo mandatário tem uma residência de campo, cerca de 100 quilómetros a oeste de Harare.

"Estamos a cuidar dele. Ele é o pai fundador da nação do Zimbabué", acrescentou o Presidente, precisando que Mugabe está há dois meses em Singapura e estava previsto regressar ao seu país a 25 de novembro, mas "não estava bem de saúde".

Mnangagwa acrescentou que Mugabe deverá voltar a 30 de novembro, sem aprofundar pormenores de saúde do antigo chefe de Estado.

No passado dia 14 de novembro cumpriu-se um ano do golpe do Exército do Zimbabué que provocou a destituição de Mugabe, que dirigia o país com "punho de ferro" desde a sua independência do Reino Unido, em 1980.

O golpe foi a resposta à decisão de Mugabe de despedir o seu então vice-presidente, Emmerson Mnangagwa, no meio de tensões entre este e a primeira-dama, Grace Mugabe, sobre quem deveria suceder ao longo mandato.

Mugabe foi demitido a 21 de novembro e foi substituído três dias depois por Mnangagwa, de 76 anos, uma alteração histórica que provocou o júbilo do povo nas ruas de um país próspero que o antigo Presidente conduziu à ruína.

Mnangagwa legitimou-se depois de nas urnas ganhar as eleições do passado 30 de julho, apesar de o seu opositor Nelson Chamisa, que lidera o Movimento Mudança Democrática (MDC) e perdeu as eleições, ter rejeitado o resultado eleitoral.

.
..
.
.
back to top

Recomendamos