Angola 24 Horas - Como Isabel dos Santos tomou conta da Efacec com milhões do Estado angolano
Menu
RSS

Como Isabel dos Santos tomou conta da Efacec com milhões do Estado angolano

Como Isabel dos Santos tomou conta da Efacec com milhões do Estado angolano

A empresária angolana Isabel dos Santos adquiriu em 2015 a Efacec Power Solutions, histórica fabricante portuguesa de equipamentos para o sector elétrico.

A empresa estava em agonia financeira e Isabel dos Santos apresentou-se como a solução para dar a volta, comprando mais de dois terços da Efacec aos seus acionistas portugueses, a José de Mello e a Têxtil Manuel Gonçalves. Mas a forma como Isabel dos Santos tomou conta da empresa foi peculiar: estruturou a aquisição sem precisar de abrir os cordões à sua própria bolsa, porque os bancos e o Estado angolano garantiram todos os fundos necessários, revelam os contratos firmados em 2015, a que o Expresso teve acesso.

A operação foi desenhada sem capitais próprios de Isabel dos Santos. Mas o plano não correu exatamente como previsto e a empresária diz ao Expresso que acabou por ter de suportar parte dos encargos. O preço de compra da Efacec foi fixado em €195 milhões. Para o pagar, Isabel dos Santos recorreu a várias linhas de financiamento, num total de €160 milhões. E usou um outro expediente: acordou, em junho de 2015, que a estatal angolana ENDE, (Empresa Nacional de Distribuição de Eletricidade), lhe compraria 40% da sociedade maltesa Winterfell Industries, por €40 milhões, com o aval do presidente angolano, José Eduardo dos Santos.

A Winterfell Industries era detida na totalidade pela Niara Holding (sociedade de Isabel dos Santos na Zona Franca da Madeira). Ao vender à ENDE 40% da Winterfell Industries, Isabel dos Santos assegurava uma verba que cobria um quinto do valor necessário para adquirir a Efacec. Mas por que tinha de ser a ENDE, minoritária na Winterfell, a assumir a totalidade do capital próprio na compra da Efacec?

Os contratos de crédito que Isabel dos Santos conseguiu junto da banca providenciaram o restante. Um sindicato que juntava CGD, BCP e Novo Banco emprestou €40 milhões à Winterfell Industries (que os repassou como suprimentos acionistas à Winterfell 2). Esse mesmo sindicato bancário concedeu outros €20 milhões à Winterfell 2 (subsidiária da Industries que viria a adquirir a Efacec). E o BCP e o Novo Banco aprovaram ainda um outro financiamento de €10 milhões à Winterfell 2. Esta sociedade instrumental beneficiou de outros três créditos: €40 milhões do Montepio, €25 milhões do BPI e €25 milhões do BIC. Fontes da banca envolvidas no negócios e ouvidas pelo Expresso sustentam que esta foi a melhor saída para os bancos portugueses, que se não financiassem a compra por Isabel dos Santos se arriscavam a perder os créditos que tinham na Efacec.

Ao garantir €40 milhões do Estado angolano (via ENDE) e €160 milhões da banca, a empresária assegurava a cobertura integral do preço a pagar pela Efacec (€195 milhões)... e ainda sobravam €5 milhões. Para onde foi esse dinheiro? O Expresso questionou a empresária angolana sobre essa margem na estrutura original de financiamento do negócio, mas para essa pergunta não obteve resposta. Outras duas questões ficaram sem resposta de Isabel dos Santos. Porque é que o desenho da operação previa que a ENDE aportasse a totalidade do capital próprio na aquisição da Efacec? E porque é que o negócio previa que a Winterfell ficasse com 65,4% da Efacec, mas acabou com 72,6%?

Apesar de deixar estas questões em aberto, um porta-voz de Isabel dos Santos assegurou ao Expresso que a ENDE não pagou os €40 milhões previstos, mas só €16 milhões, o que levou a empresária a avançar o capital em falta. “Por dificuldades financeiras nenhum dos acordos iniciais foi respeitado pela ENDE, tendo este facto obrigado à sua revisão”, respondeu por escrito o porta-voz da empresária. Que acrescentou: “A participação da ENDE no capital da Winterfell passou para 16%, uma vez que a ENDE apenas conseguiu investir €16 milhões, na referida compra de ações (investimento este realizado já em novembro de 2015 depois do closing de compra das ações da Efacec pela Winterfell), facto que obrigou a que a Niara Holding tivesse tido a necessidade de adiantar o valor que era suposto ter sido pago pela ENDE.”

“A recuperação financeira da Efacec é uma realidade de sucesso”, comenta Isabel dos Santos, que controla a empresa desde 2015

Fonte do Governo angolano confirmou ao Expresso que a ENDE de facto reduziu a sua posição na Winterfell para 16%, mas não foi possível confirmar os valores do negócio. Isabel dos Santos considera que o processo negocial em torno da Efacec foi “transparente e de mercado”. “Não houve nenhum financiamento por fundos públicos nem houve quaisquer subsídios da ENDE à Niara Holding”, observa o porta-voz de Isabel dos Santos (apesar dos €16 milhões recebidos da empresa estatal). A mesma fonte diz que “tem sido exclusivamente a Niara Holding a assegurar a disponibilização dos fundos necessários para fazer face aos compromissos financeiros, assim como os decorrentes dos incumprimentos da própria ENDE”.

O acordo parassocial entre a Niara e a ENDE, assinado a 3 de junho de 2015, a que o Expresso teve acesso, previa que a estatal angolana pagasse €10 milhões até agosto de 2016, outros €10 milhões um ano depois e, finalmente, €20 milhões em agosto de 2018. A demonstração de resultados da Niara Holding mostra que a empresa da Zona Franca da Madeira recebeu em 2015 uma soma de €16 milhões e que em 2016 a empresa de Isabel dos Santos não recebeu mais dinheiro, registando uma saída de €8,3 milhões, cujo destino não foi possível precisar. Também não foi possível obter os números relativos a 2017.

A realidade da compra da Efacec terá exigido a Isabel dos Santos um esforço financeiro que esta não esperava quando desenhou a aquisição da empresa portuguesa. Mas a empresária está satisfeita. Nota que a Efacec “passou de prejuízos de €165 milhões em 2014 para um lucro de €7,5 milhões em 2017”, o que mostra que “a recuperação financeira da Efacec é uma realidade de sucesso”.

Em agosto, o Governo angolano assumiu a vontade de que a ENDE abandone a parceria com Isabel dos Santos. O negócio deixou os interesses do Estado angolano “gravemente lesados”, afirmou então ao Expresso o ministro angolano da Energia, Baptista Borges.

PARASSOCIAL LIMITA NOMEAÇÕES DA ENDE NA EFACEC

A 3 de junho de 2015, a Niara Holding (de Isabel dos Santos) e a estatal angolana ENDE assinaram o contrato pelo qual esta comprava 40% da Winterfell, mas também um acordo parassocial regulando as suas relações. Nesse documento, a que o Expresso teve acesso, Isabel dos Santos não deixou de defender os seus interesses. A ENDE, que tinha acordado pagar €40 milhões à Niara, para apoiar a compra da Efacec, tinha direito a nomear dois administradores não-executivos na Efacec... mas não quaisquer dois. “A ENDE desde já reconhece e aceita que no âmbito do projeto e ao abrigo do acordo parassocial que venha a ser celebrado relativamente à EPS [Efacec Power Solutions] existirão determinadas restrições relativamente às pessoas que poderão ser designadas como administradores da referida EPS, obrigando-se a ENDE ao integral cumprimento de tais restrições”, estipula o acordo parassocial entre Isabel dos Santos e a ENDE. O documento, no entanto, não entra em pormenor sobre quais as restrições. EXPRESSO 

Last modified onSegunda, 19 Novembro 2018 00:07
.
..
.
.
back to top

Recomendamos