Angola 24 Horas - Trafigura perde seu último grande negócio de petróleo em Angola
Menu
RSS

Trafigura perde seu último grande negócio de petróleo em Angola

Trafigura perde seu último grande negócio de petróleo em Angola

A multinacional suíça Trafigura, com ligações ao general Leopoldino Fragoso do Nascimento, "Dino", viu "cair" o último grande contrato que a mantinha no mercado angolano, avança a Reuters. Em causa estão os direitos para fornecimento de fuel, que no ano passado renderam à Trafigura 450 milhões de dólares, e que agora passam para as mãos da francesa Total.

De acordo com a agência de notícias britânica, Angola retirou à Trafigura o contrato para abastecimento de fuel ao mercado nacional, responsabilidade que transferiu para a Total, e que se efectiva a partir de 2019.

A decisão confirma a perda de influência da multinacional suíça no país, desde que João Lourenço assumiu a Presidência da República, bem como a ascensão da petrolífera francesa.

Segundo a Reuters, para além de a Total assumir o fornecimento de fuel a Angola - acordo que no ano passado movimentou 1 milhão e 100 mil toneladas de fuel e 450 milhões de dólares -, garantiu um contrato para abastecimento de 1 milhão e 200 mil toneladas de gasolina, e outro para importação de até 400 mil toneladas de "bunker fuer", este último retirado igualmente à Trafigura.

A multinacional suíça desaparece, assim, da lista de grandes players do mercado, após anos de hegemonia não apenas no fornecimento de produtos refinados, mas também na sua distribuição. Neste caso, a Trafigura operava através da subsidiária Puma Energy International, que detém a rede de bombas de combustíveis Pumangol e tem ligações ao general Leopoldino Fragoso do Nascimento, ex-chefe da Casa de Segurança do Presidente da República.

O negócio rendeu ao general "Dino" o apelido de "homem dos 750 milhões de dólares", atribuído pela revista norte-americana Foreign Policy por ter desembolsado 213 milhões de dólares para a compra da Puma Energy International, que por muito tempo conservou o monopólio da venda de combustíveis à Sonangol.

Em sentido inverso à "derrocada" da Trafigura, consolida-se a ascensão da Total, que no ano passado assinou com a Sonangol vários acordos para o relançamento da indústria petrolífera em Angola, melhorar a distribuição dos produtos refinados e baixar os seus preços. NJ

Last modified onQuinta, 13 Setembro 2018 23:16
.
..
.
.
back to top

Recomendamos