Menu
Redacção AO24

Redacção AO24

E-mail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

"Crise" foi a Palavra do Ano para os angolanos em 2016

"Crise" foi escolhida pelos angolanos como "Palavra do Ano" em 2016, no âmbito da iniciativa do grupo Porto Editora, que se realizou pela primeira vez no país, tendo também a língua nacional quimbundo em destaque.

Os resultados da votação `online`, que decorreu entre 01 e 31 de dezembro, foram revelados hoje, em Luanda, pela Plural Editores Angola, do grupo Porto Editora.

A concurso estiveram outras nove palavras, tendo "crise" vencido com 31% dos votos.

"A palavra `crise` marcou o ano de 2016 pela crise económica e financeira que o país atravessa, agravada pela baixa do preço do petróleo no mercado internacional", recordou a editora.

A 04 de maio, em Luanda, no lançamento da iniciativa, que já se realiza anualmente em Portugal e que em 2016 foi alargada a Angola e Moçambique, Paulo Machado Ribeiro, diretor-geral da Plural Editores Angola, antevia esta possibilidade.

"A palavra `crise` é uma forte candidata sem dúvida alguma. Ainda faltam muitos meses até ao final do ano, mas desde já é a palavra que mais nos surge na cabeça", disse então o responsável da empresa angolana, do grupo Porto Editora.

"Candando" foi a segunda palavra mais escolhida, com 22% dos votos.

Trata-se de uma palavra cuja origem é da língua nacional quimbundo "kandandu", que significa abraço, cuja grafia (Candando) foi adotada para designar a nova cadeia de hipermercados que a empresária angolana Isabel dos Santos lançou em 2016.

"Kixiquila" foi a terceira palavra mais votada, com 12%.

Também se trata de um termo com origem na língua nacional quimbundo, no caso "kixikila", que significa "assentar", numa alusão ao registo dos valores. Na prática, a kixiquila é hoje em dia uma forma de poupança a que muitos angolanos passaram a recorrer devido à crise.

Juntam-se em grupos de amigos, colegas de trabalho ou vizinhos, descontando todos os meses uma parte do salário para uma espécie de cooperativa informal, que distribui mensalmente o "bolo" reunido por cada um dos participantes.

A Plural Editores está presente em Angola há cerca de dez anos e atua sobretudo na área da Educação, contando com mais de uma centena de títulos editados exclusivamente para o mercado angolano, que representa 25% das vendas totais do grupo.

A empresa editou em 2015 um conjunto de 26 títulos em Angola.

De acordo com o grupo português, o objetivo da iniciativa "Palavra do Ano" é evidenciar a riqueza e o dinamismo criativo da língua portuguesa, chamando a atenção para a importância que as palavras têm no quotidiano.

Esta iniciativa realiza-se desde 2009 em Portugal, promovida pelo grupo Porto Editora, que já completou 72 anos.

No Palanca, qualquer cubico serve para criar uma igreja

Em cada esquina do distrito do Palanca nasce uma "igreja", são já às centenas os locais ocupados por seitas de quem poucos ouviram falar. A administração distrital contou 201 templos, 65 destes são ilegais. A sua proliferação é de tal ordem que as autoridades locais admitem estar preocupadas com o fenómeno e dizem que vão apertar o cerco às seitas que ali se instalam à margem da lei

Imogestin fixa prazo ilegal para pagamento de rendas - AADIC

O prazo de 10 dias estabelecido pela Imogestin, a contar de 10 Janeiro de 2017, para que os moradores da Centralidade do Kilamba realizem o pagamento das rendas resolúveis das habitações é ilegal e viola o contrato de adesão existente entre as partes, denunciou hoje a Associação Angolana de Direitos dos Consumidores (AADIC).

Lei que proíbe a publicidade que atente contra a Constituição e o MPLA

A Proposta de Lei Geral da Publicidade, aprovada hoje pelos deputados, em Luanda, e que em breve será remetida ao plenário do Parlamento para a sua aprovação global final, proíbe a publicidade que atente contra a Constituição de República de Angola ou a dignidade da pessoa humana. Será que tal proibição se aplica ao cidadão que mais atenta contra a Constituição, ou seja, sua majestade o rei José Eduardo dos Santos?

Por Orlando Castro

E se o seu banco falir?

As declarações do governador do Banco Nacional de Angola (BNA), Valter Filipe, sobre problemas de "insolvabilidade" de cinco dos 31 bancos de direito angolano, colocou de novo na actualidade económica a questão da segurança dos depósitos bancários. E seu o seu banco falir?, é a questão.

Por Carlos Rosado de Carvalho

Assinar este feed RSS
Futuro PR não deverá atacar pessoas ligadas a José Eduardo dos Santos - Alves da Rocha

Futuro PR não deverá atacar pessoas ligadas a José Eduardo dos Santos - Alves da…

O economista Alves da Rocha defendeu hoje que o provável futuro Presidente de An...

Angola esconde ao FMI dados sobre pagamentos em petróleo à China - economista Alves da Rocha

Angola esconde ao FMI dados sobre pagamentos em petróleo à China - economista Al…

O economista Manunel Alves da Rocha disse hoje que o Governo de Angola esconde i...

Banco Barclays recusa fortunas dos governantes e altas patentes do regime angolano

Banco Barclays recusa fortunas dos governantes e altas patentes do regime angola…

O Barclays está a fechar as portas às fortunas dos angolanos. Depois do fim do v...

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheiro

Veja a mansão que a Odebrecht construiu para o ditador de Angola com seu dinheir…

José Eduardo dos Santos é destes amigos improváveis arranjados pela diplomacia b...

PAGINAS PRINCIPAIS

ENTRETENIMENTO

  • Shows
  • Música

DESPORTO

  • Girabola 2016                         
  • Outros Esportes

SOBRE NÓS

  • Grupo Media VOX POPULI

REDES SOCIAIS

  • Facebook
  • Instagram

RÁDIOS & TV

Radio AO24 Online

Em Breve