Angola 24 Horas - Analistas acreditam que confiança nas instituições angolanas depende de mudança nestas
Menu
RSS

Analistas acreditam que confiança nas instituições angolanas depende de mudança nestas

Analistas acreditam que confiança nas instituições angolanas depende de mudança nestas

Vários analistas consideraram hoje ser possível a população de Angola confiar nas instituições públicas, como o Banco Nacional do país e o Fundo Social Angolano, caso haja uma reestruturação destas.

As declarações surgiram numa mesa-redonda num Seminário de Estudos Internacionais no ISCTE-Instituto Universitário de Lisboa quando se abordou a confiança dos angolanos em instituições como aquelas, depois dos seus responsáveis terem sido associados a esquemas de desvio de fundos.

A diretora-executiva da Transparência e Integridade - Associação Cívica (TIAC), Karina Carvalho, afirmou que estas instituições podem ser reestruturadas e assinalou a sua importância social.

"As instituições e as organizações, inclusive aquelas que pertencem ao setor bancário, podem ser reforçadas, mudadas e algumas deles até podem ser extintas", assinalou Karina Carvalho, sublinhando: "Não podemos questionar é a sua importância social (...), porque nós precisamos de uma organização social".

A posição foi também defendida pelo professor universitário Jorge Humberto Dias.

"Para mudar a base de confiança, é fundamental ter uma estrutura forte que a sustente", afirmou o académico.

Karina Carvalho alertou, no entanto, para o risco dos atuais responsáveis adotarem medidas populistas para tentar recuperar esta confiança.

"A confiança não se recupera com o populismo, isto é um perigo", considerou.

O investigador Eugénio Costa Almeida afirmou, por seu turno, que a confiança é um indicador volátil.

"A confiança rapidamente se perde e dificilmente se recupera", disse, acrescentando que com "tudo aquilo que tem acontecido com as detenções, as denúncias, e tudo mais, se a confiança já era pequena, agora é cada vez menos forte".

Em setembro, José Filomeno da Silva, filho do antigo Presidente da República de Angola José Eduardo dos Santos e administrador do Fundo Social Angolano, foi acusado, juntamente com o antigo governador do Banco Nacional de Angola, Valter Filipe Duarte da Silva, de integrarem um esquema que chegou a desviar 500 milhões de dólares.

.
..
.
.
back to top

Recomendamos